Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Curiosidades

Não existe gene; ser gay é opção de cada pessoa

Carolina Paiva, Edição

Cerca de oito milhões de pessoas nos Estados Unidos se identificam como lésbicas, gays ou bissexuais, enquanto cerca de 19 milhões de americanos dizem ter se envolvido em comportamento homossexual em algum momento de suas vidas. Agora, cientistas americanos concluíram em documento que não existe um único “gene gay” que predetermine a sexualidade de alguém.

O estudo, publicado na revista Science , analisou meio milhão de perfis de DNA como parte de uma pesquisa na Europa e nos Estados Unidos. Nos anos 90, logo após a descoberta do DNA, especulou-se que um único gene pode definir a sexualidade de alguém da mesma maneira que a cor dos cabelos ou dos olhos de alguém depende de seus genes.

Em 1993, um estudo genético de 40 famílias afirmou ter identificado o gene Xq28 como definindo orientação sexual. Ben Neale, membro do MIT e do Broad Institute de Harvard, diz que é “efetivamente impossível prever o comportamento sexual de um indivíduo a partir de seu genoma”.

O grupo de defesa das minorias sustenta que o estudo “fornece ainda mais evidências de que ser gay ou lésbica é uma parte natural da vida humana”.

Os pesquisadores disseram que a orientação sexual tem um componente genético, mas o efeito é mediado por uma infinidade de genes. “Não existe um único gene gay, mas a contribuição de muitos pequenos efeitos genéticos espalhados pelo genoma”, disse Neale. Segundo ele, fatores ambientais na infância de alguém também desempenham um papel na sexualidade de um indivíduo.

Os autores do relatório – dois dos quais eram gays – encontraram cinco pontos nos cromossomos humanos, chamados loci, que parecem intimamente ligados à sexualidade. Um dos loci está associado à calvície nos homens.

Fah Sathirapongsasuti, cientista da empresa 23andMe, afirmou, sobre o estudo, que “a genética definitivamente desempenha um papel, mas, no entanto, é possivelmente uma parte minoritária – e há um efeito ambiental inexplicável no qual nunca se pode identificar exatamente”.

O estudo também desafiou a Escala Kinsey , que descreveu as pessoas como variando de exclusivamente heterossexuais a exclusivamente homossexuais. Os autores escreveram que a genética sugere que é uma simplificação excessiva supor que quanto mais alguém é atraído pelo mesmo sexo, menos ele é atraído pelo sexo oposto.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente