Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Planetas de gelo

Netuno e Urano variam cor, mas diamantes são eternos

Publicado

Foto/Imagem:
Bartô Granja, Edição - Foto Reprodução

Urano e Netuno têm muito em comum. No entanto, uma característica notável são seus diferentes tons de azul em sua aparência do espaço. Agora, os cientistas acreditam que podem explicar a discrepância.

De acordo com um estudo publicado no Journal of Geophysical Research: Planets, a diferença se resume essencialmente à neblina. Ambos têm uma camada de neblina espessa e concentrada em suas atmosferas gasosas, mas em Urano, essa camada é mais persistente, “embranquecendo” sua aparência e dando-lhe um tom ciano mais brilhante.

Em Netuno, tempestades violentas agitam a atmosfera mais do que em Urano, o que faz com que essa camada nebulosa se condense em tempestades de metano líquido, limpando a névoa à medida que cai em direção ao planeta. O mais calmo Urano, que parece inexpressivo visto do espaço, não tem essa dinâmica.

Se essa camada de neblina não existisse, esses astros teriam um tom idêntico de azul profundo causado por nuvens de gelo de metano e sulfeto de hidrogênio, dizem os cientistas.

Os estudiosos explicaram que determinaram isso observando os dois planetas usando vários comprimentos de onda de luz através do Observatório Gemini, no Havaí.

“Este é o primeiro modelo a ajustar simultaneamente as observações da luz solar refletida do ultravioleta ao infravermelho próximo”, disse Patrick Irwin, professor de Física Planetária da Universidade de Oxford e principal autor do artigo. “É também o primeiro a explicar a diferença na cor visível entre Urano e Netuno.”

Netuno e Urano são chamados de “gigantes de gelo” porque, embora compartilhem uma atmosfera de hidrogênio e hélio e a falta de superfície sólida com seus primos maiores, Júpiter e Saturno, eles também têm grandes quantidades de água, metano, amônia e outros produtos químicos.

Eles também são muito mais frios, com Urano tendo a temperatura atmosférica mais fria de qualquer planeta do sistema solar: 221 graus Celsius negativos. No entanto, em seus núcleos, eles são extremamente quentes, e a imensa pressão é conhecida por transformar carbono em diamantes, que ‘chovem’ em seu núcleo rochoso.

Devido à sua extrema distância da Terra, apenas a sonda espacial Voyager 2 os visitou de perto. Todos os outros estudos foram realizados de longe, aqui na Terra ou em órbita terrestre. Nenhum dos planetas foi observado por estudiosos de estrelas pré-modernos, sendo muito distante e muito escuro para ser visto a olho nu quando visto da Terra; somente a invenção dos telescópios tornou possível sua descoberta nos séculos XVIII e XIX.

Publicidade
Publicidade