Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


C/2014 UN271

Nova surpresa do Céu é um super cometa que vale por mil

Publicado

Foto/Imagem:
Antônio Albuquerque, Edição

Os astrônomos descobriram o maior cometa conhecido até hoje. Ele é cerca de mil vezes mais maciço do que outros astros da sua espécie. O astro tem entre 100 e 200 quilômetros de diâmetro. Descoberto pelos astrônomos Pedro Bernardinelli e Gary Bernstein, recebeu o nome de C/2014 UN271.

Sua trajetória indica como destino nosso Sistema Solarm, onde deve chegar nos próximos 8 09 9 anos.  Trata-se também o cometa mais distante a ser descoberto ao longo de sua viagem de chegada, o que proporcionará aos cientistas uma chance de observá-lo e estudá-lo nos próximos anos.

O cometa de Bernardinelli-Bernstein foi encontrado em seis anos de dados coletados pela Câmara de Energia Escura, que está localizada no telescópio de 4 metros Víctor M. Blanco, do Observatório Interamericano Cerro Tololo, no Chile. Os dados coletados por esta câmera alimentam a The Dark Energy Survey, uma colaboração de mais de 400 cientistas em sete países e 25 instituições.

A câmera, também conhecida como DECam, está ajudando a mapear 300 milhões de galáxias através do céu noturno – mas também captura vislumbres de cometas e objetos trans-Neptuinan, ou corpos celestes gelados que residem ao longo da periferia do sistema solar, além da órbita de Netuno.

Bernardinelli e Bernstein usaram algoritmos no Centro Nacional de Aplicações de Supercomputação da Universidade de Illinois em Urbana-Champaign para identificar objetos trans-Neptunianos. Durante o trabalho, os astrônomos rastrearam 32 detecções até um objeto.

Os cometas são relíquias geladas que foram expulsas do sistema solar quando os planetas gigantes se formaram e migraram para suas configurações atuais. Conforme os cometas se aproximam de nosso sol durante suas órbitas, seus gelos evaporam, criando uma assinatura.

Eles possuem um núcleo, ou a sólida “bola de neve suja” em seu centro. Os comas são as nuvens gasosas que se formam ao redor do núcleo à medida que os gelos do cometa evaporam. O gás e a poeira evaporados também são empurrados atrás do cometa, criando duas caudas iluminadas pela luz solar. Essas caudas podem ter centenas ou até milhões de quilômetros de comprimento.

As imagens do objeto tiradas entre 2014 e 2018 não mostraram uma cauda cometária. Mas nos últimos três anos, uma cauda cresceu, o que oficialmente o torna o Cometa Bernardinelli-Bernstein.

As observações feitas utilizando a rede de telescópios do Observatório Las Cumbres em todo o mundo ajudaram a confirmar o status do cometa ativo.

“Como somos uma equipe que se encontra em todo o mundo, aconteceu que era o meu turno da tarde enquanto as outras pessoas estavam dormindo. A primeira imagem tinha o cometa obscurecido por uma raia de satélite, e meu coração afundou. Mas então os outros estavam claros o suficiente e, meu Deus, ali estava, definitivamente, um belo pontinho felpudo, nada crocante como suas estrelas vizinhas” disse Michele Bannister, astrônoma da Universidade de Canterbury, na Nova Zelândia, em uma declaração.

A viagem do cometa começou a mais de 6 trilhões de quilômetros de distância do sol, ou 40.000 unidades astronômicas. A distância entre a Terra e o Sol é uma unidade astronômica. Para referência, Plutão está a 39 unidades astronômicas do Sol.

O cometa veio da Nuvem de Objetos Oort, um grupo isolado de objetos gelados que estão mais distantes do que qualquer outra coisa em nosso sistema solar. Os cientistas acreditam que é de onde vêm os cometas, mas eles nunca realmente observaram um objeto dentro da Nuvem de Oort.

A Nuvem de Oort está localizada entre 2.000 e 100.000 unidades astronômicas do sol. Eventualmente, naves espaciais da Nasa como a Voyager 1 e 2, assim como a New Horizons, chegarão à Nuvem de Oort. Mas quando chegarem, suas fontes de energia já estarão mortas por séculos.

O cometa Bernardinelli-Bernstein está atualmente a cerca de 3 bilhões de quilômetros de distância – aproximadamente a distância de Urano do Sol – e em seu ponto mais próximo em 2031, será apenas um pouco mais do que a distância de Saturno ao Sol.

“Temos o privilégio de ter descoberto talvez o maior cometa já visto – ou pelo menos maior do que qualquer outro bem estudado – e o pegamos suficientemente cedo para que as pessoas o vejam evoluir à medida que se aproxima e se aquece”, disse Bernstein em uma declaração. “Ele não visita os planetas há mais de 3 milhões de anos”.

Esta oportunidade de estudar o cometa dará aos astrônomos uma chance de entender melhor sua origem e a composição. Ele pode ser apenas um dos muitos gigantes originários da Nuvem de Oort.

Publicidade
Publicidade