Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Cérebro revirado

Nova técnica pode restaurar proteínas associadas à demência

Publicado

Foto/Imagem:
Alexandra Kashirina/Via Sputniknews - Foto Reprodução

Cientistas do Instituto de Pesquisa de Demência da Universidade de Cambridge descobriram que certos tipos de estresse, como a alta temperatura corporal, podem reverter o acúmulo anormal de proteínas no cérebro que geralmente é encontrado em pacientes com demência, de acordo com um estudo publicado em Natureza Comunicações.

Esse fenômeno cita pesquisas anteriores, que mostraram que as pessoas que frequentavam saunas na Finlândia eram menos propensas a sofrer de demência.

Os cientistas alertaram que o estudo, financiado em parte pela Alzheimer’s Society, está em seus estágios iniciais. O choque térmico, que afeta agregações anormais de proteínas, também pode causar estresse que mata as células cerebrais, diz o estudo. Os pesquisadores agora estão procurando uma maneira de provocar uma reação semelhante no cérebro, mas sem consequências prejudiciais.

“Otimisticamente, no futuro poderíamos encontrar uma droga para despertar esse mecanismo que descobrimos e prevenir doenças como a demência”, disse o principal autor do estudo, Edward Avezov.

O diretor associado de pesquisa da Alzheimer’s Society, Richard Oakley, disse que o estudo é um “divisor de águas para a pesquisa de demência”. Segundo ele, este é “um passo para tratamentos eficazes e seguros”.

A professora Tara Spires-Jones, da Universidade de Edimburgo, disse que esse “estudo se soma a trabalhos anteriores, que também mostraram que células estressadas com frio em vez de calor podem protegê-las de proteínas mal dobradas. Mas é provável que uma droga que tenha como alvo esses mecanismos esteja a muitos anos de distância”.

Em 2017, uma equipe internacional de pesquisadores da Universidade da Finlândia Oriental e da Universidade de Bristol descobriu que o uso regular de sauna reduz o risco de desenvolver demência.

Partindo do conhecimento de que a doença vascular é um dos fatores de risco para o declínio cognitivo relacionado à idade, eles decidiram examinar a ligação entre a circulação sanguínea e a demência, pois já foi comprovado que o uso da sauna pode melhorar a circulação sanguínea estimulando a função hemodinâmica dos vasos sanguíneos, mesmo em pacientes com insuficiência cardíaca, e redução da pressão arterial.

Os pesquisadores analisaram 2.315 perfis de saúde de finlandeses do sexo masculino divididos em três grupos: os que frequentavam a sauna uma, duas e três vezes por semana e os que frequentavam a sauna com mais frequência. Demência e Alzheimer foram diagnosticados em 204 participantes que usaram sauna com menos frequência em comparação com os 123 participantes que usaram mais.

Aqueles que usaram a sauna com frequência (quatro a sete vezes por semana) tiveram um risco 66% menor de desenvolver demência e um risco 65% menor de desenvolver Alzheimer.

Publicidade
Publicidade