Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


AT 2022cmc

Novo buraco negro emite luz engolindo estrela

Publicado

Foto/Imagem:
Fantine Gardinier/Via Sputniknews - Foto Reprodução

Em um estudo publicado na Nature Astronomya, um grupo de astrônomos revelou que um misterioso flash brilhante observado no início deste ano em vários telescópios em todo o planeta provavelmente veio do lado escuro de um buraco negro ultramassivo chamado blazar.

A súbita luz brilhante foi observada pela primeira vez em dados do Observatório Palomar, na Califórnia, tendo aparecido em uma parte do céu onde tal luz não havia sido observada antes. O poder estimado da luz era inimaginável, em mais de 1 quatrilhão de vezes o brilho do nosso sol.

Em resposta, cientistas de todo o mundo treinaram seus equipamentos na misteriosa e poderosa nova fonte de luz na tentativa de deduzir suas propriedades. A explicação deles? Era um buraco negro supermassivo comendo uma estrela.

O buraco negro, designado AT 2022cmc, está a cerca de 8,5 bilhões de anos-luz de distância, mas tornou-se visível por causa do que os astrônomos chamam de “evento de ruptura de maré” (TDE), quando uma estrela é dilacerada pelas incríveis forças gravitacionais de maré dentro e ao redor um buraco negro.

Usando o Event Horizon Telescope, os cientistas obtiveram uma imagem do buraco negro no centro da galáxia M87, delineado pela emissão de gás quente girando em torno dele sob a influência da forte gravidade perto de seu horizonte de eventos.

Os buracos negros supermassivos geralmente ancoram os centros das galáxias, incluindo a nossa, e os mais poderosos disparam jatos de matéria ionizada a velocidades próximas à da luz. Os astrônomos os chamam de “blazars” e, quando esse jato é apontado para a Terra, parece um dos objetos mais brilhantes do universo.

“Sabemos que há um buraco negro supermassivo por galáxia, e eles se formaram muito rapidamente no primeiro milhão de anos do universo”, disse o coautor Matteo Lucchini, pós-doutorando no Instituto Kavli de Astrofísica e Pesquisa Espacial do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, em um comunicado de imprensa.

“Isso nos diz que eles se alimentam muito rápido, embora não saibamos como funciona esse processo de alimentação. Portanto, fontes como um TDE podem realmente ser uma boa sondagem de como esse processo acontece”, observou ele.

Para produzir um jato tão intenso, o buraco negro deve estar em uma fase extremamente ativa – o que o co-autor e pesquisador Dheeraj Pasham descreve como um “frenesi de hiperalimentação”.

“Provavelmente está engolindo a estrela a uma taxa de metade da massa do sol por ano”, disse Pasham. “Muitas dessas perturbações das marés acontecem no início, e fomos capazes de capturar esse evento logo no início, dentro de uma semana após o buraco negro começar a se alimentar da estrela.”

“Esperamos muitos mais desses TDEs no futuro”, observou Lucchini. “Então poderemos dizer, finalmente, como exatamente os buracos negros lançam esses jatos extremamente poderosos.”

Publicidade
Publicidade