Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Mundo

Papo com Ucrânia deixa situação de Trump enrolada

Bartô Granja, Edição

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos divulgou trechos da transcrição de uma conversa telefônica do presidente Donald Trump com o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky. A ligação foi feita em 25 de julho de 2019.

Nela, o líder norte-americano pede ao seu colega ucraniano um ‘favor especial’ – investigar a Crowdstrike, empresa contratada para investigar o hack que supostamente invadiu o Comitê Nacional Democrata durante a eleição de 2016. A Ucrânia teria acesso ao servidor.

Durante a conversa Trump se referiu ao caso de Viktor Shokin, um promotor ucraniano que investiga a empresa de energia Burisma, onde Hunter Binder, filho do ex-vice-presidente Joe Biden, e adversário de Trump, teria interesses.

“Há muita conversa sobre o filho do [ex-vice-presidente Joe] Biden. Biden saiu por aí se gabando de que ele parou a promotoria, então se você puder investigar … Parece horrível para mim “, diz Trump, referindo-se às investigações ucranianas.

Zelensky prometeu, no telefonema, analisar a situação “especificamente a empresa que você mencionou neste caso. A questão da investigação do caso é realmente a questão de garantir a restauração da honestidade, para que possamos cuidar da situação”.

Nos trechos divulgados, porém, Trump não menciona a ajuda militar ou econômica dos EUA à Ucrânia em trica desse favor. Isso desafia as alegações feitas pelos democratas, que iniciaram uma investigação de impeachment contra Trump.

A alegação é de que ele pode ter ordenado o congelamento de cerca de US $ 400 milhões em assistência militar à Ucrânia nos dias anteriores ao telefonema de Zelensky, supostamente para pressionar o novo presidente a cooperar no inquérito de Biden.

Zelensky fala sobre a ajuda militar mas apenas para agradecer a Trump. “Gostaria também de agradecer pelo seu grande apoio na área de defesa. Estamos prontos para continuar a cooperar nos próximos passos; estamos quase prontos para comprar mais armas dos Estados Unidos para fins de defesa”, afirmou o presidente da Ucrânia.

Depois que a transcrição foi divulgada, Trump foi ao Twitter para perguntar se os democratas “se desculpariam” com ele “depois de ver o que foi dito na ligação com o presidente ucraniano”.

Trump denunciou o que considera “caça às bruxas” dizendo que o inquérito de impeachment contra ele era “uma coisa vergonhosa”.

A presidente da Câmara, do Democratas – partido de oposição à Casa Branca -, Nancy Pelosi, que anunciou o inquérito formal de impeachment, disse que a transcrição do telefonema “confirmou” que o comportamento de Trump “minou” a integridade das eleições nos EUA e a segurança nacional.

“A divulgação confirma que o presidente se envolveu em um comportamento que prejudica a integridade de nossas eleições, a dignidade do cargo que ocupa e nossa segurança nacional. O presidente tentou fazer da ilegalidade uma virtude e agora está exportando para o exterior uma imagem ruim dos Estados Unidos”, disse Pelosi.

A declaração de Pelosi reiterou a denúncia dos democratas acusando Trump de usar “dinheiro do contribuinte para abalar outros países em benefício de sua campanha”, dizendo que isso “não fazia parte do seu trabalho”.

“A transcrição e o Departamento de Justiça agindo de maneira desonesta, sendo cúmplice da ilegalidade do presidente, confirmam a necessidade de um inquérito de impeachment. Claramente, o Congresso deve agir”, afirmou um comunicado do gabinete de Pelosi.

Segundo ela, um presidente pedindo que governos estrangeiros “investigassem um oponente político” (neste caso Joe Biden) “não estava certo”.

Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente