Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Física rever o tempo do tempo

‘Parem o mundo; estou sem tempo e que quero descer’

Publicado

Foto/Imagem:
Andrei Deglin - Foto Reprodução

Desenvolvimentos futuros no campo da física podem levar o próprio tempo a ser considerado inexistente, pelo menos no contexto de algumas teorias, diz Sam Baron, professor associado de filosofia da Universidade Católica Australiana.

Como Baron explica em um artigo publicado no The Conversation, a física está atualmente em crise, e os físicos estão procurando encontrar um substituto para a relatividade geral e a mecânica quântica, pois, embora essas duas teorias “funcionem extremamente bem por si mesmas”, elas também são “pensado em conflito um com o outro”.

A chamada gravidade quântica em loop – uma teoria da gravidade quântica que busca substituir a relatividade geral e a mecânica quântica “enquanto captura o extraordinário sucesso de ambas” – parece “eliminar completamente o tempo”, observa ele, acrescentando que “várias outras abordagens também parecem remover o tempo como um aspecto fundamental da realidade”.

Então, o que pode acontecer se uma nova teoria física que não apresenta o tempo estiver correta, Baron pergunta, apontando que a vida inteira das pessoas é “construída em torno do tempo”.

“Planejamos o futuro, à luz do que sabemos sobre o passado. Consideramos as pessoas moralmente responsáveis ​​por suas ações passadas, com o objetivo de repreendê-las mais tarde. Acreditamos ser agentes (entidades que podem fazer coisas) em parte porque podemos nos planejar para agir de forma a trazer mudanças no futuro”, pondera.

“Mas qual é o sentido de agir para provocar uma mudança no futuro quando, em um sentido muito real, não há futuro pelo qual agir? Qual é o sentido de punir alguém por uma ação passada, quando não há passado e assim, aparentemente, nenhuma tal ação?”

No entanto, embora uma possível descoberta de que o tempo não existe “pareça trazer o mundo inteiro a um impasse”, ainda pode haver “uma saída para a bagunça”, sugere Baron, observando que a causação – “o sentido em que um uma coisa pode trazer outra” – parece ser deixada intacta pela física.

“Talvez o que a física esteja nos dizendo, então, é que a causação e não o tempo é a característica básica do nosso universo”, postula. “Se isso estiver certo, então a agência ainda pode sobreviver. Pois é possível reconstruir um senso de agência inteiramente em termos causais”.

Publicidade
Publicidade