Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Mundo

Pequim manda Washington tirar seus navios do Mar da China

Foto/Sputniknews
Bartô Granja

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China acusou os Estados Unidos de violarem a soberania chinesa quando um destróier dos EUA navegou no Mar da China Meridional contra o pano de fundo da tensão entre as duas maiores economias do mundo.

De acordo com Lu Kang , os navios da Marinha do Exército Popular de Libertação da China identificaram o destróier e emitiram um aviso subsequente. “Devo enfatizar que as ações da embarcação americana violaram a soberania da China, além de ameaçar a paz, a segurança e a ordem nas águas em questão”.

A China condenou este ato e expressou forte protesto neste sentido, acrescentou o funcionário. “Os Estados Unidos ignoram a vontade dos países da região de manter a paz e a estabilidade no Mar do Sul da China. Eles reivindicam o direito à liberdade de navegação aérea e marítima como um pretexto para pôr em perigo a paz e a estabilidade na região. ”

“Pedimos veementemente aos Estados Unidos que ponham fim a tais provocações. A China continuará a tomar todas as medidas necessárias para proteger sua soberania e segurança nacional, bem como manter a paz e a estabilidade no Mar do Sul da China ”, concluiu.

No início do dia, os militares dos EUA disseram em um comunicado que o destróier de mísseis guiados dos EUA, Preble, havia navegado perto do disputado Scarborough Shoal, reivindicado pela China no Mar do Sul da China.

“Preble navegou dentro de 12 milhas náuticas de Scarborough Reef, a fim de desafiar as reivindicações marítimas excessivas e preservar o acesso às vias navegáveis, como regido pelo direito internacional”, disse à Reuters o comandante Clay Doss, porta-voz da Sétima Frota.

A operação militar dos EUA foi a segunda deste tipo em um mês e a mais recente tentativa de conter o que Washington vê como esforços de Pequim para limitar a liberdade de navegação nas águas estratégicas, onde operam as marinhas chinesa, japonesa e algumas do sudeste asiático.

Os EUA também expressaram preocupação com a construção chinesa de postos avançados e instalações militares em ilhas artificiais no Mar da China Meridional, com Pequim afirmando que tem o direito soberano de enviar tropas para qualquer parte de seu território, e defendendo sua construção como vital para o país. defesa própria.

A China acusou repetidas vezes os Estados Unidos de provocar provocações no Mar da China Meridional, alertando o país contra o envio de navios e aviões de guerra para as ilhas e recifes reivindicados por Pequim, conclamando seu rival econômico a “suspender ações que enfraquecem a soberania e os interesses de segurança da China”. .

A China reivindica quase todo o estratégico Mar da China Meridional e, com frequência, investe contra os Estados Unidos e seus aliados em operações navais realizadas perto de ilhas reivindicadas pela China. Vietnã, Filipinas, Brunei, Malásia, Indonésia e Taiwan também têm reivindicações concorrentes na região.

O disputado Mar do Sul da China é apenas um de um número crescente de pontos críticos na relação EUA-China, que também inclui um cabo de guerra comercial.

Em resposta às novas tarifas dos EUA anunciadas pelo presidente Donald Trump em meio a negociações comerciais, a China adotou uma postura mais dura em sua guerra comercial e deu um tapa nos Estados Unidos com medidas imediatas, afirmando que a retomada das negociações entre as duas economias seria inútil, a menos que Washington revisse seu curso.

Além disso, na semana passada, os Estados Unidos anunciaram que a fabricante de equipamentos de telecomunicações Huawei Technologies Co Ltd seria colocada em uma lista negra que poderia tornar extremamente difícil para a empresa fazer negócios com os EUA em um movimento fechado por Pequim.

No entanto, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Lu Kang, quando questionado sobre os relatos da mídia estatal sugerindo que não haveria mais negociações comerciais, respondeu que a China sempre buscou resolver disputas com os Estados Unidos via diálogo.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente