Uma avaliação

Pisando firme no acelerador do novo Mercedes Classe A sedã

Foto/Divulgação
Diego Ortiz

A atual geração do Classe A pode ser um marco na gama de sua montadora. É a primeira vez que a letra A parece realmente fazer parte da família Mercedes-Benz, e não ser um primo distante que chegou e foi ficando. Essa era a impressão passada pelas gerações anteriores do modelo de entrada.

Aceleramos o Classe A Sedan pelas ruas de Seattle e nas estradas ao redor da cidade norte-americana. A versão avaliada foi a 220 4Matic, com tração integral. O motor é um quatro-cilindros que gera 190 cv e 30,6 mkgf a 1.600 rpm. Com o câmbio automatizado de sete marchas e dupla embreagem, o conjunto dá ao sedã um vigor muito bom, com poder de arrancada e aceleração progressiva. No uso urbano e na estrada, a performance sobra.

A suspensão é mais voltada à esportividade que ao conforto, mas isso também não quer dizer que o A Sedan faça os passageiros sofrerem em pisos imperfeitos. A absorção de impactos é boa, a nãos ser em buracos mais profundos. Nesse caso, o carro dá fim de curso.

Um dos grandes destaques do sedã não está em sua força, mas em sua esperteza. O modelo traz tecnologia de inteligência artificial na central multimídia MBUX. Há reconhecimento de voz e um assistente virtual (chamado de “Mercedes”) que aprende as preferências do usuário, entendendo inclusive gírias.

O sistema de navegação usa realidade aumentada, exibida na tela do painel de instrumentos, para mostrar o local exato por onde o carro está passando, com imagem em tempo real. Na estrada ou locais mais abertos, ele funcionou muito bem, mas no centro de Seattle, com muita informação (gente, ruas em sequência, sinais e placas), o recurso não foi preciso como se esperava.

Além disso, o modelo também tem direção semiautônoma. Câmeras e radares leem as condições de tráfego, curvas e faixa na pista e levam o carro sozinho por até dez segundos. Também analisam as condições 500 metros à frente.

O acabamento com couro, plástico preto e diversas texturas é muito bom. Já o espaço traseiro deixa a desejar.

COMPARTILHE