Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Os alienígenas

Planetas junto de estrelas como o Sol são adequados para ter água e vida

Publicado

Foto/Imagem:
Kirill Kurovlev/Via Sputniknews - Foto Reprodução

Como a Terra – até agora o único planeta conhecido com vida – orbita o Sol, sistemas planetários em torno de estrelas de tamanho e tipo semelhantes são alvos lógicos para astrônomos que procuram extraterrestres. O entendimento é de que eles podem ser grandes alvos na busca por vida alienígena, o que pode finalmente trazer à humanidade o resultado que anseia, sugere um novo estudo publicado na revista Nature.

Os pesquisadores acreditam que mundos que orbitam sistemas binários, consistindo de duas estrelas gravitacionalmente travadas e em órbita uma da outra, podem ser o melhor caminho a seguir na busca. De acordo com pesquisadores da Universidade de Copenhague, mais da metade das estrelas do tamanho do Sol estão em sistemas binários, onde a energia estende a região habitável ainda mais e a torna maior.

As descobertas determinaram que essas estrelas aquecem os mundos umas das outras, aumentando as chances de serem orbitadas por um planeta com água líquida.

“O resultado é empolgante, já que a busca por vida extraterrestre será equipada com vários instrumentos novos e extremamente poderosos nos próximos anos”, disse o professor Jes Kristian Jorgensen, um dos principais autores do estudo . “Isso aumenta a importância de entender como os planetas são formados em torno de diferentes tipos de estrelas. Esses resultados podem identificar lugares que seriam especialmente interessantes para investigar a existência de vida.”

Os pesquisadores pontuaram que a descoberta é baseada em observações de uma jovem estrela dupla a cerca de 1.000 anos-luz da Terra feitas pelo telescópio Atacama Large Millimeter, no Chile. É conhecido como NGC 1333-IRAS2A e é cercado por um disco de gás e poeira. Os pesquisadores desenvolveram simulações de computador que iam e voltavam no tempo.

A circulação de gás e poeira, por exemplo, não segue um padrão consistente. Ele fica extremamente poderoso por períodos de tempo “relativamente” curtos ao longo de milhares de anos. A estrela binária brilha até cem vezes antes de retornar ao seu estado original. Como as duas estrelas se cercam, os pesquisadores acreditam que esse padrão cíclico pode ser explicado pela dualidade.

Sua gravidade conjunta afetará o disco circundante em intervalos regulares, fazendo com que grandes volumes de detritos caiam em direção à estrela.

“As observações permitem-nos aproximar as estrelas e estudar como a poeira e o gás se movem em direção ao disco,” disse o co-autor Rajika Kuruwita. “As simulações nos dirão qual física está em jogo e como as estrelas evoluíram até o instantâneo que observamos e sua evolução futura”.

O sistema estelar da pesquisa, no entanto, ainda é muito jovem para a formação de planetas, de acordo com o estudo.

“Os cometas provavelmente desempenharão um papel fundamental na criação de possibilidades para a evolução da vida. Os cometas geralmente têm um alto teor de gelo com a presença de moléculas orgânicas”, disse Jorgensen.

Pode-se imaginar que as moléculas orgânicas são preservadas nos cometas durante as épocas em que um planeta é estéril, e que os impactos posteriores dos cometas introduzirão as moléculas na superfície do planeta. O aquecimento causado pelas explosões provocará a evaporação dos grãos de poeira e a gelo em torno deles. Isso pode alterar a composição química do material a partir do qual os planetas são formados. Os comprimentos de onda cobertos pelo ALMA nos permitem ver moléculas orgânicas bastante complexas, ou seja, moléculas com 9-12 átomos e contendo carbono”, acentuou.

De acordo com Jorgensen, essas moléculas podem ser “blocos de construção para moléculas mais complexas que são fundamentais para a vida como a conhecemos. Por exemplo, aminoácidos que foram encontrados em cometas”.

Em dezembro passado, a Nasa lançou o Telescópio Espacial James Webb, que deve se juntar à busca por vida extraterrestre em um futuro próximo. O ELT (European Large Telescope) e o tremendamente poderoso Square Kilometer Array serão adicionados antes do final da década. O ELT será o maior telescópio óptico do mundo, com um espelho de 39 metros, e estudará as condições atmosféricas de exoplanetas fora do sistema solar.

Publicidade
Publicidade