Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Mundo

Plano de paz de Trump é mero jogo eleitoreiro

Bartô Granja, Edição

Quase metade dos judeus israelenses acredita que a publicação do chamado acordo dos Estados Unidos do século no assentamento do Oriente Médio constitui uma interferência dos EUA nas eleições israelenses previstas para 2 de março, revelou uma nova pesquisa.

De acordo com a pesquisa realizada pelo Israel Democracy Institute, 68% dos árabes israelenses vêem a publicação do plano de paz como interferência no processo eleitoral israelense.

“… entre os judeus, pouco menos da metade (46%) a vê dessa maneira. Uma segmentação da amostra judaica por auto-colocação no espectro direito-centro-esquerdo revela uma maioria que percebe interferência externa à esquerda e à esquerda. o centro (78% e 69%), comparado a uma minoria que defende essa visão entre aqueles que se definem como de direita (33,5%) “, revelou a pesquisa.

Até 45,5% dos entrevistados judeus acreditam que Israel deveria concordar com o reconhecimento de um Estado palestino de acordo com o plano de Trump , e apenas 44% dos árabes pensam dessa maneira.

A razão para um apoio tão baixo ao reconhecimento da Palestina entre os árabes “é aparentemente a menção do presidente Trump no corpo da questão, dada a percepção generalizada de que o presidente dos EUA não é um árbitro justo na questão do conflito, mas sim tendencioso para o lado israelense “, afirmou a pesquisa.

Sob o plano de paz, apresentado pelo presidente dos EUA, Donald Trump, em 28 de janeiro, Israel anexaria assentamentos na Cisjordânia e no vale do Jordão e teria Jerusalém como sua “capital indivisa”. Um Estado palestino desmilitarizado, por sua vez, recebe a vila adjacente de Abu Dis como capital e US $ 50 bilhões em investimentos para “estimular a economia palestina”.

O direito de retorno dos refugiados palestinos à sua terra ancestral permanece fora de questão. Previsivelmente, o plano de paz provocou uma forte reação da Palestina, que insiste em restaurar suas fronteiras pré-1967 e ter Jerusalém Oriental, e não aldeias adjacentes, como sua capital.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente