Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Brasil

Podem até ter matado Renan. Mas será que enterraram?

Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/ABr - Arquivo Notibras
Marc Arnoldi

A eleição à Presidência do Senado foi o assunto que dominou os primeiros dias da nova legislatura. O episódio recheado de eventos um pouco de trágicos e muito cômicos rendeu comentários em muitas esferas, até mesmo em espaços não muito acostumados a discutir política. Foi sucesso de Ibope. Também convenha-se que as duas sessões de sexta-feira e sábado era imbatíveis no gênero novela mexicana. Os atos praticados no plenário foram tão insanos que só a solidez do bronze impediu que o busto de Rui Barbosa, ali instalado, derretesse de vergonha.

A segunda-feira foi de acalmia, e Renan Calheiros até recebeu apoios marcadas e exaltados. Não no meio político. Mas em parte significativa dos analistas e comentaristas. Quem passou o fim de semana sem ligar a TV podia até imaginar que o inelutável tinha acontecido. TVs, rádios e internet rivalizam de comentários pessimistas, prevendo já o fim do Governo Bolsonaro. Alguns até falaram em impeachment à vista. Raros são os consentiram em creditar a Cesar o que é de Cesar: o candidato preferido da Esplanada tinha vencido, contrariando a corrente comum dos sabe-tudo. Se com a vitória de Alcolumbre elas já são terríveis para o Governo, o que teriam sido as manchetes se Renan tivesse sido eleito?

O pior dos erros é insistir nele quando os fatos provam o contrário. Deixar a paixão subir à cabeça. O gostoso da paixão é justamente isso, mas cega quando se trata de análise. Não se faz política com fígado. E nem se comenta. Por esquecer isso, Carlos Andreazza mergulhou na vitimização na Jovem Pan, e Reinaldo Azevedo chamou seus ouvintes na BandNews de burros e imbecis. Não todos, mas os que não pensam exatamente como ele. Dá na mesma.

O que nenhum dos dois e dos outros que inverteram o resultado da eleição de David Alcolumbre quiseram explicar é que, sem necessariamente torcer por Renan, eles comungam com o ex-Presidente da mesma aversão ao Sérgio Moro em particular, e à Lava-Jato em geral. Que Renan tenha prometido aderir à pauta reformista, é crível (mas não certo), mas é líquido (e muito certo) que, à frente do Senado, teria sido empecilho ao plano de reformas no âmbito de Segurança Pública e da Justiça que o agora Ministro da Justiça acaba de apresentar.

O carro-chefe da equipe governamental será a reforma de Previdência. E terá que obter dois terços dos votos nas duas casas. O supervalorizado “grupo do Renan” teria garantido os 54 votos? Claro que não, já que sua candidatura contava com a benção dos petistas, que votarão contra a reforma. Nem mesmo no MDB ele era imperador, quem diria no plenário. O argumento dos analistas é que David Alcolumbre só obteve 42 votos. O suficiente para ser presidente em primeiro turno, mas longe do necessário para passar uma emenda constitucional. É esquecer os 13 votos de Esperidião Amin (PP) e os 8 do Ângelo Coronel (PSD), que devem, em grande parte, ser reformistas. A questão agora é estratégica. Renan continua sendo um influenciador, e tem alguns votos, além do seu. O que fazer com ele?

Nunca a vitória é plena em política, porque numa democracia saudável, a roda gira. No Brasil pós-2014, a roda endoidou e parece moinho. Assim, o PT hoje em baixa pode nutrir legítima esperança de meia-volta. Olhando como exemplo o DEM, declarado moribundo há alguns meses, e presidindo as duas Casas legislativas hoje. Assim também, Renan Calheiros, que agora tem dois anos para recompor seu grupo e tentar voltar à presidência do Senado em 2021, para comandar o Congresso na eleição de 2022, mesmo se seus planos envolvem uma candidatura à sucessão de seu filho no governo de Alagoas.

As condições são reunidas para isso: Renan Filho não poderia concorrer por já ter sido (bem) reeleito em 2018, Renan estará no meio de seu mandato de senador, garantindo um cargo em 2023 mesmo em caso de derrota em Maceió, e o cargo de governador de seu estado é o único que ainda não exerceu.

Assim sendo, e levando em conta que há vida pós-eleição para a presidência e Renan Calheiros continua lá, no mínimo como um dos 81, qual seria a boa estratégia para não jogar ele numa eventual oposição? Por sinal, nada certa. As palavras MDB e oposição nunca estiveram juntas desde a redemocratização. Seria curioso isso acontecer agora.

Nesta quarta-feira, os atores voltam ao palco. Os holofotes não serão tão intensos, mas o jogo pode ser disputado: são as comissões permanentes, e a famosa CCJ em pole position. É por lá que todo projeto tem que passar primeiro. Seu presidente pode atrapalhar pelo menos o calendário do Governo. Renan tem candidato, é Zé Maranhão. Alcolumbre gostaria de retribuir o apoio de Simone Tebet, e trabalha para colocar a senadora do Mato Grosso do Sul no cargo. Um trabalho por enquanto bem sucedido. Até mesmo a bancada do MDB não pretende comprar uma briga que virou pessoal. Se a indicação for confirmada, e por consequência a eleição, será um novo desgosto para Renan.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente