Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Brasília

Polícia prende aliado de P.O., Agnelo Queiroz e Agaciel por corrupção



O administrador de São Sebastião, Antônio Jucélio Gomes Moreno, e mais dois servidores da administração regional foram presos pela Polícia Civil nesta terça-feira (15). As prisões foram motivadas na concessão irregular de  licenças de funcionamento.

No primeiro semestre, outros dois administradores (de Taguatinga e de Águas Claras) também foram presos após investigações de crimes semelhantes. O empresário Paulo Octavio, que disputa um mandato de deputado distrital pelo PP, aliado do governador Agnelo Queiroz, e a primeira-dama Ilza Queiroz, são citados em trechos de conversas telefônicas.

Jucélio, afilhado político do deputado Agaciel Maia (PTC), vice-presidente da Câmara Legislativa, foi surpreendido com a operação de agentes da Delegacia de Repressão aos Crimes contra a Administração Pública (Decap) , logo às 6h. Mal o dia amanhecia, e a polícia já estava invadindo a administração regional. Além dele, foram presos o chefe da gerência de licenciamento de obras, Jailson Mendes Félix, e o diretor social, Paulo Dias Souza.

Os policiais cumpriram quatro mandados de busca de apreensão nas casas dos envolvidos e na sede da administração regional. De acordo com a Polícia Civil, os suspeitos cobravam vantagens indevidas de empresas para liberar as licenças.

A polícia citou como exemplo o caso de um circo que teve de pagar R$ 1,5 mil usados pela administração regional consertar um veículo público em troca da liberação da licença de funcionamento. Também houve casos de licenças emitidas em duplicidade, o que é irregular.

De acordo com a Decap, os três servidores foram presos temporariamente porque passaram a intimidar testemunhas depois que souberam da investigação policial.

Agora eles devem ser indiciados por concussão (obtenção indevida de vantagem no uso de função pública), que tem pena prevista de até oito anos de prisão, e associação para o crime, que pode chegar a três anos.

Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente