Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Futuro é hoje

Processo que faz rato jovem será testado em humano

Publicado

Foto/Imagem:
Bartô Granja, Edição - Foto Divulgação

Pesquisadores da Harvard Medical School descobriram uma maneira de rejuvenescer camundongos depois de reverter efetivamente uma tecnologia que permitia modificar geneticamente o animal para envelhecer mais rápido, informou a CNN.

Em 2007, o pesquisador biomédico japonês Shinya Yamanaka projetou células da pele humana adulta, levando-as a se comportarem como células-tronco embrionárias ou pluripotentes. No Laboratório Sinclair da Harvard Medical School, pesquisadores participaram de esforços científicos para criar uma tecnologia que permitisse o reverso.

Anteriormente, essa tecnologia foi desenvolvida, com cientistas em 2016 conseguindo retardar o envelhecimento em camundongos depois de expô-los a quatro fatores principais de Yamanaka. No entanto, às vezes pode resultar em animais alterados desenvolvendo tumores cancerígenos.

O laboratório Sinclair conseguiu desenvolver uma alternativa mais segura, com o geneticista do laboratório Yuancheng Lu escolhendo três dos quatro fatores e os incorporando geneticamente em um vírus inofensivo. Então, o vírus entregaria as células às células ganglionares da retina danificadas na parte de trás do olho de um camundongo idoso. Para ativar os genes pluripotentes, o camundongo foi então alimentado com um antibiótico.

“O antibiótico é apenas uma ferramenta. Pode ser qualquer produto químico, apenas uma maneira de ter certeza de que os três genes estão ligados”, disse David Sinclair. “Normalmente, eles estão ligados apenas em embriões em desenvolvimento muito jovens e depois desligam à medida que envelhecemos.”

Ele então argumentou que, de alguma forma, o corpo sabe como se rejuvenescer, ativando os genes que funcionaram em uma idade mais jovem.

“É uma perda de informação que leva as células envelhecidas a esquecer como funcionam, esquecer que tipo de célula elas são. E agora podemos tocar em um botão de reinicialização que restaura a capacidade da célula de ler o genoma corretamente novamente, como se fosse jovem”, disse Sinclair.

Ele disse estar otimista sobre a possibilidade de tentar o mesmo padrão com humanos. “Fizemos isso em um rato. Não há nenhuma razão que eu possa pensar por que não deveria funcionar em uma pessoa também”, argumentou Sinclair.

Anteriormente, outro estudo descobriu que o transplante de micróbios fecais de camundongos mais jovens para camundongos mais velhos pode reduzir os efeitos do envelhecimento.

Publicidade
Publicidade