Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Mundo

Putin nega a Trump informação sobre tropas russas

Foto/Sputniknews
Bartô Granja, Edição

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tuitou que a Rússia supostamente informou os EUA sobre “ter removido a maioria de seu povo” da Venezuela. Foi na segunda, 3.  O porta-voz da presidência russa, Dmitry Peskov, comentando a manifestação sobre os russos supostamente estarem deixando a Venezuela, disse que a Rússia não notificou oficialmente os Estados Unidos sobre isso, acrescentando que especialistas russos continuam trabalhando lá.

“Na verdade, existem, de fato, especialistas que estão envolvidos na manutenção de equipamentos fornecidos anteriormente. Esse processo está sendo realizado de maneira planejada. E não sabemos o que significa” remover a maioria de seus funcionários “, disse ele.

O porta-voz observou ainda que a declaração de Trump provavelmente baseou-se em fontes de jornais. “Parece que esse é um link indireto para algumas fontes de informação de jornais, porque não havia relatórios oficiais sobre o assunto do lado russo”, disse Peskov a jornalistas.

Antes do pronunciamento de Trump o embaixador russo na Venezuela, Vladimir Zaemsky, refutou as alegações feitas no The Wall Street Journal no domingo de que a Rússia reduziu significativamente o número de funcionários da Rostec trabalhando na Venezuela nos últimos meses.

Moscou forneceu apoio militar à Venezuela sob a forma de especialistas militares que operam no país sob contratos para o fornecimento de sistemas de armas fabricados na Rússia.

Os contratos foram assinados antes do início da crise política no país no início deste ano, e as autoridades russas indicaram recentemente que não têm planos de assinar novos contratos para a entrega de armas à Venezuela no momento, dadas as dificuldades financeiras que o país enfrenta. em.

No final de janeiro, apenas algumas semanas após a posse do presidente venezuelano Nicolas Maduro para um segundo mandato, o parlamentar da oposição venezuelana Juan Guaido proclamou-se o “presidente interino” do país, recebendo reconhecimento imediato dos EUA e de seus aliados.

A Rússia, a China e uma série de outros países expressaram apoio ao governo de Maduro e conclamaram os poderes externos a não interferirem nos assuntos internos da Venezuela. Caracas caracterizou os esforços de Guaido para usurpar o poder como uma tentativa fracassada de golpe apoiado pelo exterior.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente