Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Virando o jogo

Putin vê Ocidente no fundo do poço e Ásia com leme na mão

Publicado

Foto/Imagem:
Svetiana Ekimenko/Via Sputniknews - Foto Reprodução

O presidente russo, Vladimir Putin, fez um discurso em uma sessão plenária no 3º dia do Fórum Econômico do Leste (EEF), um evento anual dedicado ao desenvolvimento do Extremo Oriente da Rússia. Ele destacou a mudança tectônica nas relações internacionais, o domínio mundial em declínio dos EUA, o papel crescente da região asiática, bem como a resiliência da Rússia diante das sanções.

A ‘febre das sanções’ instigada pelo chamado Ocidente coletivo é uma ameaça para o mundo inteiro, disse Putin na sessão plenária da EEF. Segundo o presidente russo, a pandemia de COVID-19 foi substituída por outros desafios, também de natureza global, que ameaçam o mundo inteiro.

“Refiro-me à febre das sanções do Ocidente, suas tentativas indisfarçadas e agressivas de impor padrões de comportamento a outros países, privá-los de soberania e subjugá-los à sua vontade.”

O declínio do domínio mundial dos EUA na política e na economia, juntamente com a “resistência obstinada e a incapacidade das elites ocidentais de ver e reconhecer a realidade objetiva” serviram como catalisador para esses processos, disse Putin.

Os países ocidentais, na tentativa de resistir ao curso da história, minaram os principais pilares do sistema econômico mundial, forjados ao longo dos séculos, disse Vladimir Putin. “Vemos como a confiança no dólar, euro e libra esterlina como moedas para realizar pagamentos, armazenar reservas, nomear ativos foi perdida”, destacou.

O mundo está gradualmente se afastando do uso de moedas tão pouco confiáveis ​​e comprometidas, enfatizou o presidente, acrescentando que até os aliados dos EUA estão cortando seus ativos em dólar. O chamado Ocidente coletivo busca preservar uma ordem mundial servindo apenas aos seus próprios interesses, afirmou o presidente russo.

“Os países ocidentais se esforçam para manter a velha ordem mundial que é benéfica apenas para eles, para forçar a comunidade global a viver de acordo com as regras notórias que eles inventaram e violam regularmente e alteram constantemente, dependendo do estado atual das coisas”, – Putin disse.

Os EUA perseguem persistentemente e sem vergonha seus próprios interesses, não parando por nada para atingir seus objetivos, incluindo o sacrifício de empresas europeias que precisam fechar devido aos custos de energia paralisantes, alertou o presidente. Acrescentou que não seria de estranhar que esta política resultasse em nichos empresariais europeus, tanto no continente como no mercado global, sendo assumidos pelos seus ‘patronos americanos’.

A relutância de outros países em se submeter a tal ditame e arbitrariedade faz com que as elites ocidentais adotem decisões precipitadas, míopes e aventureiras, tanto do ponto de vista da segurança mundial, política e economia”, disse o presidente russo, Vladimir Putin, falando na o Fórum Econômico do Leste.Estas decisões vão contra os interesses dos países e cidadãos dos próprios estados ocidentais, acrescentou.

Segundo o líder russo, mudanças tectônicas ocorreram no sistema de relações internacionais.
“O papel de estados e regiões dinâmicos e promissores do mundo aumentou significativamente. E, acima de tudo, é claro, da região da Ásia-Pacífico. Seus países se tornaram novos centros de crescimento econômico e tecnológico, pontos de atração de pessoal, capital, produção”, disse Putin na sessão plenária do Fórum Econômico do Leste.

A economia dos países asiáticos está crescendo mais rápido do que os países ocidentais, essa tendência continuará no futuro, disse o presidente russo, acrescentando: “Deixe-me lembrá-lo que, nos últimos 10 anos, o PIB dos países asiáticos cresceu anualmente cerca de 5%, enquanto o do mundo – 3%; o PIB dos EUA – 2%, o da UE 1,2%.”

O presidente russo salientou a importância da continuidade desta tendência, pois inevitavelmente fará com que a participação das economias asiáticas no PIB global cresça de 37,1% em 2015 para 45% em 2027, afirmou. A maioria absoluta dos países da região da Ásia-Pacífico não aceita a política de sanções destrutivas , desencadeada contra a Rússia por causa de sua operação militar especial em andamento na Ucrânia, afirmou Vladimir Putin.

Putin disse ainda que, embora as restrições aos grãos russos ainda estejam em vigor como parte da política de sanções, isso continua elevando os preços. A Rússia é o maior exportador mundial de trigo, com a Ucrânia em quinto lugar. Juntos, os dois países respondem por mais de um terço das exportações globais de cereais e metade do mercado mundial de exportação de óleo de girassol.
Isso ocorre quando 345 milhões de pessoas em todo o mundo já sofrem com a escassez de alimentos – 2,5 vezes mais do que em 2019.

“O aumento dos preços nos mercados globais pode ser uma verdadeira tragédia para a maioria dos países mais pobres que enfrentam escassez de alimentos, recursos energéticos e outros bens vitais. Gostaria de mencionar os números que enfatizam o perigo do problema: em 2019, segundo para as Nações Unidas, 135 milhões de pessoas no mundo sofreram escassez aguda de alimentos, mas esse número agora aumentou 2,5 vezes para 345 milhões de pessoas”, disse Putin.

As nações mais pobres estão perdendo cada vez mais o acesso a produtos alimentícios essenciais à medida que os países desenvolvidos os compram ‘em massa’, alertou Putin, provocando um forte aumento nos preços. O líder russo pediu união de forças em um esforço para reverter essa tendência. Segundo o presidente russo, há todas as chances para isso. É necessário não apenas tomar decisões sob algum ‘pretexto plausível’, mas também “trabalhar juntos na implementação das decisões tomadas”, acentuou.

Uma catástrofe humanitária pode ser desencadeada pelo fato de o Ocidente buscar a maior parte do grão ucraniano para seus países, e não para os estados africanos necessitados, disse. Dos 87 navios com grãos, apenas dois foram enviados para países necessitados, segundo dados do Programa Mundial de Alimentos da ONU citados pelo presidente na sessão plenária. ele observou que os necessitados receberam apenas 3% dos grãos de 2 milhões de toneladas exportadas da Ucrânia.

“Quero dizer que, assim como muitos países europeus em décadas e séculos anteriores agiram como colonialistas, continuam a agir hoje… com essa abordagem, a escala dos problemas alimentares no mundo só aumentará, o que, infelizmente, nosso grande pesar, pode levar a uma catástrofe humanitária sem precedentes”, disse Putin.

Nesse sentido, o presidente russo disse que considerará limitar a exportação de grãos e outros gêneros alimentícios ao longo desta rota e consultará sobre este assunto o presidente turco Recep Tayyip Erdogan.

“Apesar de todas as dificuldades dos acontecimentos em torno da Ucrânia, fizemos tudo para garantir que o grão ucraniano fosse exportado. Encontrei-me com os líderes da União Africana, com os líderes dos estados africanos, prometi-lhes que faríamos tudo para garantir seus interesses e facilitar a exportação de grãos ucranianos. Fizemos isso sem instruções”, acrescentou Putin.

A Rússia não perdeu nada desde 24 de fevereiro, quando iniciou uma operação especial na Ucrânia, enfatizou Vladimir Putin, acrescentando que o principal ganho é o fortalecimento da soberania da Rússia.

“Tenho certeza de que não perdemos nada [com o início da operação na Ucrânia] e não perderemos nada. O ganho principal é o fortalecimento de nossa soberania, e esse é o resultado inevitável do que está acontecendo agora”, ressaltou. A Rússia sempre defenderá seus interesses nacionais, perseguirá uma independência, disse.

“A Rússia é um estado soberano, sempre protegeremos nossos interesses nacionais por meio de uma política independente e valorizamos as mesmas qualidades em parceiros que demonstraram confiabilidade e responsabilidade no curso do comércio, investimento e outras cooperações por muitos anos”, afirmou Putin, em referência às nações da região Ásia-Pacífico.

O direito internacional tem sido repetidamente pisoteado, como evidenciado pela guerra no Iraque, as ações do Ocidente na Iugoslávia e o bombardeio de Belgrado. Nenhuma delas foi sancionada pelas sanções da ONU, disse Putin, acrescentando que a Federação Russa não violou nenhum princípio do direito internacional, mas está sendo culpada.

“Agora muitas pessoas afirmam que a Rússia está violando a lei internacional. Eu acho que isso é absolutamente falso. Quem começou a guerra no Iraque sem sanções da ONU? Quem destruiu a Iugoslávia sob pretextos plausíveis? Quem desencadeou uma guerra no centro da Europa bombardeando Belgrado? Ninguém se lembrava dos princípios do direito internacional na época”, disse Putin.

Vladimir Putin chamou as tentativas de limitar o preço dos recursos energéticos russos de um absurdo, alertando que isso levaria a um maior crescimento dos custos nos mercados mundiais, inclusive na Europa.

“Nada pode ser resolvido por via administrativa na esfera da economia e do comércio mundial”, disse ele, comentando a proposta da União Europeia e dos países do G7 de limitar os preços marginais do petróleo e do gás russos.

Enquanto isso, a demanda por recursos energéticos no mundo é tão grande que a Rússia não tem problemas em encontrar compradores, disse o presidente Vladimir Putin. Em particular, ele observou que a crescente demanda por recursos energéticos em uma economia tão grande como a da China. Todos os principais parâmetros de fornecimento de gás à China através da Mongólia foram acordados, até mesmo os preços, acrescentou.

“Recebendo gás natural da Rússia, as economias dos principais países europeus tiveram vantagens competitivas óbvias de natureza global por décadas. Se eles acham que não precisam de tais vantagens, bem, isso não nos incomoda de forma alguma porque a necessidade de recursos energéticos do mundo é muito grande”, disse Putin.

Quanto às sanções que saíram pela culatra e seu impacto na crescente crise energética enfrentada pela União Europeia e pela Grã-Bretanha, ele acrescentou: Só há uma saída – na Alemanha, vemos manifestações para o comissionamento do oleoduto Nord Stream 2″.

“Nord Stream está praticamente fechado agora. Todos dizem: a Rússia está usando a energia como arma. Mais uma vez – um absurdo. Fornecemos tanta energia quanto nossos parceiros precisam, tanto quanto eles fazem um pedido”, disse Putin.

O mercado europeu sempre foi considerado um mercado premium, mas desde a crise na Ucrânia, deixou de sê-lo, destacou o presidente russo, Vladimir Putin, na quarta-feira. ele acrescentou que mesmo os Estados Unidos “redirecionaram seus navios-tanque com gás natural liquefeito para países asiáticos, porque era mais lucrativo vender lá”.

Segundo Vladimir Putin, a Europa se encurralou em um “impasse” de sanções e não sabe o que fazer com isso. A furiosa crise de energia ganhou tremenda magnitude depois que uma série de restrições formais e informais foram impostas ao petróleo, gás, carvão e eletricidade provenientes da Rússia.

Na semana passada, o Nord Stream, o último grande gasoduto que bombeia gás russo para a UE, foi fechado. A Gazprom esclareceu que foi forçada a parar de bombear gás através do gasoduto Nord Stream para a Europa devido ao mau funcionamento da última turbina restante. A empresa disse que solicitou reparos ao fabricante de turbinas, mas que atualmente estão indisponíveis devido a sanções ocidentais.

Publicidade
Publicidade