Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Curiosidades

Quais os segredos que os túmulos kofun guardam?

Christopher Harding

Eles são o equivalente japonês das pirâmides do Egito: enormes “túmulos antigos”, ou kofun em japonês, construídos por centenas de trabalhadores. Os primeiros pequenos exemplares começaram a aparecer em todo o Japão por volta de 250 d.C.

As câmaras eram enterradas no chão, depois cercadas com pedra e, finalmente, o topo era fechado para criar um grande monte. No século 5, foram construídos kofun com centenas de metros de largura e comprimento. Mas nós não sabemos muito sobre o kofun.

O design básico veio da península coreana, assim como de muitos outros elementos da cultura japonesa que têm raízes na Ásia continental, desde o cultivo de arroz e o trabalho em bronze até um sistema de escrita, música, dança, budismo e roupas finas.

Dentro de cada um dos kofun que foram escavados até agora, os arqueólogos geralmente encontraram um caixão de madeira enterrado ao lado de objetos preciosos, variando de espelhos de bronze a armaduras de ferro e espadas finamente forjadas.

Do lado de fora, nas encostas dos montes, as pessoas às vezes colocavam figuras de terracota como marcadores de limites. Conhecida como haniwa, seus projetos podem ser incrivelmente complexos, incluindo dançarinos, xamãs, guerreiros, cavalos, navios e pássaros.

No entanto, o que não sabemos sobre o maior desses túmulos, o Daisen Kofun, é a resposta para a pergunta mais importante de todas: quem está dentro dos túmulos?

Incorporando três fossos, tem quase meio quilômetro de comprimento, 300 metros de largura e mais de 30 metros de altura; de fato, esse kofun em particular é tão grande que sua forma de buraco da fechadura só pode ser totalmente apreciadas do alto. Diante de tudo isso, podemos ter muita certeza de que quem foi sepultado ali não era uma pessoa comum.

Mas no Japão é proibido escavar qualquer kofun de um certo tamanho e criado na forma de um buraco de fechadura, pois acredita-se que esses são os locais de descanso não apenas dos grandes reis, mas também dos imperadores divinos.

Esses kofun espetaculares são, talvez, mistérios necessários: abri-los significa o risco de encontrar algo interior que questione a história da monarquia mais antiga do mundo. É também um risco que os supervisores de tumbas, a Imperial Household Agency, simplesmente não conseguem se dar ao luxo de assumir.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente