Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Mundo

Queimado junto ao povo, Evo fará nova eleição

Bartô Granja, Edição

O presidente da Bolívia, Evo Morales, anunciou neste domingo (10/11) a realização de novas eleições na Bolívia, após um relatório da Organização dos Estados Americanos (OEA) apontar suspeitas de fraude no pleito de outubro, que deu a reeleição já no primeiro turno ao líder esquerdista.

Não ficou claro se a decisão servirá para aplacar a ira dos manifestantes, que há semanas vão às ruas da Bolívia pedir a renúncia do presidente. Segundo Morales, as autoridades eleitorais serão trocadas para o novo pleito, como solicitado pela OEA.

“Decidi convocar novas eleições”, afirmou Morales, a partir do hangar presidencial do aeroporto de El Alto, cidade vizinha a La Paz e reduto eleitoral do presidente.

O líder esquerdista boliviano, no poder desde 2006, ganhou as eleições de 20 de outubro. Mas a apuração de votos foi interrompida inexplicavelmente durante quase um dia inteiro, o que provocou acusações de fraude e desencadeou protestos, greves e bloqueios de rodovias.

Morales é o líder há mais tempo no poder na América Latina. Ele venceu a eleição com dez pontos de vantagem (margem mínima necessária para evitar o segundo turno) sobre o rival Carlos Mesa, o que lhe garantiu um novo mandato.

Mas o resultado de uma auditoria da OEA, divulgado neste domingo de forma preliminar, aponta ser estatisticamente improvável que Morales tenha obtido tal margem em sua vitória eleitoral. A entidade diz que não pode, portanto, certificar o resultado divulgado.

Em um comunicado, a organização pediu que o processo eleitoral no país andino comece de novo, ocorrendo “o primeiro turno assim que existirem novas condições que deem novas garantias para sua realização, incluindo uma nova composição do corpo eleitoral”.

No texto, a OEA pede ainda respeito à liberdade de manifestação do povo boliviano e afirma que entende que “os mandatos constitucionais não devem ser interrompidos, inclusive o do presidente Evo Morales”.

Os protestos na Bolívia duram mais de duas semanas, depois de oposição e movimentos civis terem denunciado fraudes na contagem dos votos a favor do presidente, que a comissão eleitoral deu como vencedor para cumprir um quarto mandato. Os comitês da oposição não reconhecem a vitória e exigem a renúncia de Evo Morales e a repetição do escrutínio.

Morales, por sua vez, denuncia ser vítima de um golpe de Estado. “Irmãs e irmãos, nossa democracia está em risco pelo golpe de Estado que grupos violentos colocaram em marcha, atentando contra a ordem constitucional. Denunciamos à comunidade internacional esse atentado contra o Estado de Direito”, afirmou o presidente em sua conta no Twitter.

Luis Fernando Camacho, um líder da cidade oriental de Santa Cruz que se tornou símbolo da oposição, respondeu a Morales: “Não viemos derrubar um presidente, viemos liberar a Bolívia de sua ditadura.”

O opositor quer liderar uma marcha ao palácio do governo na segunda-feira com uma simbólica carta de renúncia pré-escrita para ser assinada por Morales.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente