Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Brasília

Quem põe lixo no lixo manda pragas pra longe

Ana Luiza Vinhote

Cuidados simples, mas que muitas vezes são ignorados pelas pessoas, são fundamentais para a saúde pública. Manter os ambientes limpos e sem restos de comida são formas de evitar a proliferação de baratas, aranhas, moscas, baratas, lagartas, escorpiões e pombos e, consequentemente, a transmissão de doenças.

Além de contar com a ajuda da população, o governo local também investe em ações para combater a infestação desses animais.

Segundo o subsecretário de Vigilância à Saúde, Divino Valero, são feitas inspeções domiciliares, pulverizações, manejo ambiental, higienização nas redes de esgoto e programas de educação ambiental nas escolas.

“As pragas urbanas são aqueles animais indesejáveis ao convívio humano, que trazem risco a vida das pessoas. Eles podem transmitir, leptospirose, salmonelose, alergias, entre outras”, informa.

“Quem puder, também é aconselhável deixar as paredes do imóvel sempre rebocadas. Esses animais gostam muito de locais velhos, sem reformas”, explica Divino Valero. “Há dois fatores determinantes para infestações: o ambiental e o sanitário. Muito chuva acaba atraindo esses bichos também”.

No caso dos pombos – que transmitem criptococose, mais conhecida como doença do pombo, pelas fezes –, as orientações não são diferentes. Outra medida de segurança é não alimentar esses animais.

“Não é uma atitude saudável. Eles se reproduzem muito rápido e quanto mais alimentamos, mais eles vão se concentrar naquele lugar, principalmente em telhados, varandas ou onde tem muita sujeira”, alerta o subsecretário à Saúde.

Trabalho integrado
As administrações regionais são grandes parceiras no combate às pragas urbanas. A administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro, ressalta que o primeiro trabalho é manter a cidade limpa. “E tentar conscientizar a população para que não joguem lixo nas ruas. Também fazemos vistoria para checar se alguma área virou foco desses animais e acionamos a vigilância sanitária”, comenta a responsável pela cidade.

Canal de comunicação
Para solicitar os serviços de combate às pragas urbanas, basta ligar para o 162 ou registar uma manifestações pelo site. Para acompanhar a demanda é preciso ter a senha de acesso ao sistema recebida no ato do registro da manifestação e o número do protocolo. Também é possível fazer a solicitação presencialmente. Cada órgão público do governo conta com uma ouvidoria especializada.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2021 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente