Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Plataforma Fintech Monkey

Rede D’Or avança na área financeira com parceiros

Publicado

Foto/Imagem:
Malu Oliveira, Edição/Eurocom Comunicação - Foto Divulgação

A Rede D’Or vem intensificando o trabalho interno de buscar soluções financeiras para facilitar a melhora do capital de giro dos seus parceiros e, por isso, se juntou à Monkey, fintech de antecipação de recebíveis, para desenvolver a plataforma nomeada de Facilita D’Or. A iniciativa tem o objetivo de fortalecer a cadeia de suprimentos da empresa e permitirá que seus fornecedores usufruam da qualidade de crédito Rede D’Or nas negociações com os bancos feitas via plataforma.

A ampliação será gradativa de acordo com a expansão do programa. Por meio deste novo recurso, os fornecedores poderão visualizar faturas disponíveis para negociação e solicitar, junto aos agentes financeiros participantes parceiros da Rede D’Or, a antecipação de pagamento de notas fiscais de bens e serviços a uma taxa vinculada ao risco de crédito da rede privada de assistência médica. O mecanismo desta operação, reconhecida como risco sacado, é bem conhecido no mercado e um dos diferenciais do programa é o formato de leilão reverso de crédito, no qual vence o banco que apresentar o lance com a menor taxa de juros. Assim, tomadores do crédito tendem a conseguir condições mais atrativas do que as atuais, além de uma plataforma intuitiva, permitindo ao parceiro realizar negociações de forma ágil em poucos cliques.

A adesão à plataforma é gratuita e com operações livres de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras). “Entendemos que projetos como esse viabilizam a melhora do capital de giro dos nossos parceiros, permitindo, assim, o desenvolvimento de uma parceria de longo prazo com toda a nossa cadeia de suprimentos. Afinal, a iniciativa estreita a relação com os nossos fornecedores, auxiliando na sustentabilidade financeira para lidar com um cenário econômico adverso”, comenta Otávio Lazcano, CFO da Rede D’Or.

Para a Monkey, que já transacionou mais de R$ 50 bilhões em outros programas, o potencial do Facilita D’Or é enorme, pois auxiliará no acesso a crédito de milhares fornecedores que prestam serviços à Rede D’Or. “Na plataforma, daremos mais oportunidades de crédito que, em outras razões, estas empresas acabariam pagando juros elevados. Não já descriminação sobre o tamanho do fornecedor ou mesmo o tamanho da transação. Não só a taxa de desconto é baseada no risco do sacado, mas também a linha de crédito usada na antecipação. É um meio de ajudar na democratização de crédito, dando acesso a capital mais barato, utilizando a linha de crédito do seu cliente e sem precisar passar por uma análise”, explica a Rebeca Ouro Preto, diretora de vendas da Monkey.

Sobre a Rede D’Or
A Rede D’Or, maior de saúde da América Latina, com 44 anos de existência, presente em 13 estados e no Distrito Federal, conta com 69 hospitais próprios e dois administrados em operação, a maior rede integrada de tratamento oncológico do país, uma das maiores redes diagnósticas do Brasil, extensa operação de banco de sangue e a maior consultoria de saúde do país. Uma proposta completa de saúde para todas as pessoas que vai da prevenção ao tratamento de alta complexidade, que também conjuga serviços de cuidado integrado, contínuo e coordenado.

Sobre a Monkey
A Monkey é o maior marketplace de soluções financeiras da América Latina. Criada por Gustavo Muller (CEO), Bruno Oliveira (COO) e Felipe Adorno (CTO), a fintech criou um ecossistema que potencializa os negócios entre as instituições financeiras e pequenas, médias e grandes empresas por meio de duas plataformas, a Exchange, focada em antecipação de recebíveis de notas fiscais e contratos, e a Spike, que oferece as melhores condições de antecipação de cartão. Com seis anos de atuação, já transacionou R$ 45 bilhões, possui mais de 40 financiados, 65 grandes clientes, incluindo Fiat Chrysler, Gerdau, Saint-Gobain, Usiminas, Suzano e Petrobras e 7.000 PMEs em seu portfólio. A Monkey tem como investidores o fundo americano Quona, Kinea do fundo Corporate Venture Capital do Itaú, Parallax Venture e a Wayra, hub de inovação aberta da Vivo no Brasil.

Publicidade
Publicidade