Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Curiosidades

Relatório do Pentágoo mostra face dos ET’s

Bartô Granja, Edição

Em 2020, o Pentágono revelou a existência de uma Força Tarefa de Fenômenos Aéreos Não Identificados (UAPTF), com o programa encarregado de reunir todas as informações que os militares têm sobre avistamentos de OVNIs que não podem ser explicadas racionalmente. O Pentágono deve informar o Congresso sobre suas conclusões em 1º de junho, com o relatório amplamente aguardado a ser tornado público.

Nos Estados Unidos, o interesse público em objetos voadores não identificados (OVNIs) tem suas origens na era pós-Segunda Guerra Mundial, com tecnologia aeroespacial cada vez mais avançada, a mania de ficção científica da década de 1950 e o medo exagerado do Red Scare de tecnologia soviética radicalmente avançada . Tudo isso contribuiu para o surgimento de avistamentos de OVNIs e deu origem a teorias de que não estamos sozinhos no universo.

O governo e os militares dos Estados Unidos não estavam imunes à especulação e, em 1948, encarregaram formalmente a Força Aérea dos Estados Unidos de estudar e documentar oficialmente OVNIs, com a iniciativa de codinome Projeto SAUCER, e mais tarde renomeada Projeto Sign.

Esta história em quadrinhos se refere a uma série de avistamentos múltiplos de objetos voadores não identificados (OVNIs) em 19 de julho de 1952, em Washington, DC.
Em 1949, a Força Aérea emitiu seu relatório final sob o Projeto Sign, concluindo que a grande maioria dos OVNIs poderia ser explicada por fenômenos mundanos como aeronaves, balões meteorológicos, nuvens, cães do sol, estrelas e outros fenômenos que não estavam fora deste mundo.

No mesmo ano, a Força Aérea iniciou uma nova investigação, apelidada de Projeto Grudge e, como seu antecessor, determinou que a maioria das evidências à sua disposição apontavam para tecnologia feita pelo homem ou eventos cósmicos e terrestres comuns. O relatório final do Projeto Grudge, emitido em agosto de 1949, concluiu que, com base em seus dados:

“Não há evidências de que os objetos relatados sejam o resultado de um desenvolvimento científico estrangeiro avançado; e, portanto, eles não constituem nenhuma ameaça direta à segurança nacional. Em vista disso, recomenda-se que a investigação e o estudo de relatórios de objetos voadores não identificados sejam reduzidos em escopo. ”
O relatório também determinou que “todas” as evidências à sua disposição o levaram a determinar que os avistamentos foram o resultado de “má interpretação de vários objetos convencionais”, “histeria em massa” e “nervos de guerra”, fraudes deliberadamente perpetradas por indivíduos buscando publicidade e “pessoas psicopatológicas”.

O Projeto Grudge foi formalmente encerrado em 1951 e sucedido pelo Projeto Blue Book em 1952.

No início dos anos 1950, alguns investigadores da mídia dos Estados Unidos questionaram a objetividade do Projeto Grudge, alegando que tinha como objetivo desmascarar os avistamentos de OVNIs desde o início e sugerir que a Força Aérea não estava levando seu trabalho a sério ou mesmo ignorando ou menosprezando os civis que relatavam os não identificados fenômeno aéreo.

O Projeto Blue Book continuou até 1969, período em que mais de 12.600 relatórios de avistamentos foram coletados, e a Força Aérea novamente concluiu que a maioria deles eram simplesmente fenômenos naturais identificados incorretamente ou tecnologia feita pelo homem. No entanto, um total de 701 dos avistamentos permaneceram formalmente classificados como “não identificados”.

No entanto, estudos baseados no Projeto Blue Book descobriram que:

“Nenhum OVNI relatado, investigado e avaliado pela Força Aérea foi uma indicação de ameaça à nossa segurança nacional”, e que não havia “nenhuma evidência … de que avistamentos categorizados como ‘não identificados’ representassem desenvolvimentos tecnológicos ou princípios além do alcance do moderno conhecimento científico ”ou eram“ veículos extraterrestres ”.

O Projeto Blue Book foi formalmente encerrado no início de 1970 e, embora a Força Aérea continuasse a catalogar informalmente relatórios sobre incidentes de avistamento de OVNIs em instalações militares sensíveis em meados da década de 1970, nenhum novo programa formal para coletar e analisar dados sobre OVNIs seria criado até o novo milênio (pelo menos nenhum que o público conheça).

Isso mudou nos anos 2000. Em 2007, a Agência de Inteligência de Defesa dos EUA empreendeu uma nova investigação sobre OVNIs apelidada de Programa Avançado de Identificação de Ameaças Aeroespaciais (AATIP). O Congresso alocou US $ 22 milhões para o projeto ao longo de um período de cinco anos. A existência do programa secreto só foi revelada no ano passado, quando seu sucessor, a Força-Tarefa de Fenômenos Aéreos Não Identificados (UAPTF), foi detalhado por funcionários.

Ao contrário dos programas anteriores, o AATIP não era dirigido pela Força Aérea e, em vez disso, caiu no colo da Agência de Inteligência de Defesa, que normalmente se dedica à inteligência militar e informa os formuladores de políticas e os militares sobre as capacidades militares de potenciais adversários estrangeiros. A AATIP surgiu por iniciativa do senador democrata Harry Reid, que na época servia como líder da maioria no senado, e foi criado depois que Reid foi convencido a alocar fundos para estudos de OVNIs por um contratado governamental bilionário amigo dele. O empreiteiro recebeu dinheiro para criar um relatório sobre décadas de avistamentos de OVNIs em potencial ao redor do mundo no espaço de várias décadas, e também forneceu ao Congresso, ao DIA e ao Pentágono relatórios mensais, com cerca de 38 estudos adicionais publicados.

A AATIP acabou rendendo frutos com o lançamento de três vídeos bombásticos capturados por aeronaves militares dos EUA entre 2004 e 2015 e mostrando OVNIs com velocidade e manobrabilidade incríveis, e em forma de piões e Tic Tacs – com suas capacidades e design diferentes de qualquer objeto voador conhecido por ter foi criado por engenheiros humanos. Em abril de 2020, em um reconhecimento público incrível e nunca antes feito, os militares dos EUA confirmaram a autenticidade dos vídeos.

O programa AATIP patrocinado pelo Congresso foi formalmente encerrado em 2012, mas os militares dos EUA continuaram a coletar informações sobre avistamentos de OVNIs em uma base informal. Em meados de 2020, após a verificação militar das imagens de vídeo de OVNIs, o Comitê de Inteligência do Senado encarregou o Escritório de Inteligência Naval do Pentágono de padronizar a coleta e relatar fenômenos aéreos inexplicáveis, criando UAPTF.

A força-tarefa teve 180 dias a partir da data de aprovação da Lei de Autorização de Inteligência de 2021 para informar o Senado sobre suas conclusões. O projeto foi aprovado no Congresso e assinado pelo ex-presidente Donald Trump em dezembro de 2020, e a UAPTF agora tem até 1º de junho para preparar seu escrito.

Em julho de 2020, o presidente do Comitê de Inteligência do Senado, Marco Rubio, deu a entender que a principal preocupação dos legisladores não era tanto a perspectiva de descobrir que não estamos sozinhos no universo, mas que algum adversário dos EUA, como a China ou a Rússia, pode ter feito “ algum salto tecnológico ” que“ permite que façam esse tipo de atividade ”e que Washington desconhece. “Talvez haja uma explicação meio chata para isso. Mas precisamos descobrir ”, acrescentou.

1 ° de junho: o dia em que a Terra permanece parada?
A empolgação com o próximo relatório da força-tarefa, que será lançado em pouco mais de duas semanas, aumentou com a confirmação do mês passado pelo Pentágono da autenticidade de novas evidências em foto e vídeo de fenômenos aéreos inexplicáveis, desta vez capturados por pessoal a bordo de contratorpedeiros americanos perfurando a Califórnia em 2019, mostrando OVNIs misteriosos em forma de pirâmide viajando em alta velocidade e realizando manobras estranhas. O incidente causou preocupação na Marinha, que revelou no início deste ano que não tinha ideia de quem ou o que era o responsável pelos voos.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2021 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente