Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Curiosidades

Resíduo põe em dúvida origem de pergaminho judeu

Bartô Granja, Edição

Os pergaminhos, um dos tesouros nacionais mais importantes de Israel, são considerados um dos achados arqueológicos mais significativos do século 20. Consistem em mais de 900 manuscritos relacionados ao judaísmo e ao antigo reino de Israel, incluindo a Bíblia Hebraica. Os documentos teriam sido supostamente escritos por volta dos anos 400 antes de Cristo.

Agora, uma análise química do Pergaminho do Templo, o mais longo e mais bem preservado dos Pergaminhos do Mar Morto, indica que o documento tem um revestimento salgado no lado escrito, diferente de qualquer coisa encontrada na região do Mar Morto. Desconfia-se, assim, que sua origem pode ser de outra região, e não necessariamente de solo hebraico.

Os pergaminhos antigos, encontrados em quase uma dúzia de cavernas no deserto da Judéia, na costa norte do Mar Morto, na Cisjordânia, por pastores beduínos em meados do final da década de 1940, consistem em centenas de documentos – de textos bíblicos a hinos, calendários, documentos detalhando tradições religiosas e observações acadêmicas iniciais.

Mas uma nova análise química usando equipamento espectroscópico e de raios-X avançado, conduzida por pesquisadores do Instituto de Ciência Wizmann de Israel, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts e da Universidade de Hamburgo, encontrou vestígios de sais feitos de enxofre, sódio, cálcio e outros elementos que não tendem a se formar naturalmente nas cavernas ou no próprio Mar Morto.

“A salmoura do Mar Morto tem uma concentração relativamente baixa de sulfato e, embora esses sais evaporativos sejam particularmente comuns em ambientes hipersalinos não marinhos, glauberita e tenardita” (dois minerais sulfitos encontrados no Pergaminho do Templo), esses “não são comumente encontrados no Mar Morto região ”, explicaram os pesquisadores em um artigo publicado na revista Science Advances.

“Isso introduz perguntas intrigantes sobre a procedência do [Rolo do Templo], que será objeto de estudos futuros”, acrescentou o estudo.

“Essa surpresa surgiu de sais que não esperávamos encontrar”, disse Admir Masic, co-autor do estudo e cientista de materiais do MIT, à Science News. O próximo passo, de acordo com Masic, será descobrir onde exatamente os minerais salgados encontrados no Pergaminho do Templo ocorrem naturalmente.

Espera-se então que os cientistas descubram como o material de revestimento foi importado de outra área ou, talvez, se o próprio pergaminho foi produzido em outro lugar.

Ira Rabin, cientista da Universidade de Hamburgo e co-autor do estudo inovador, disse que o trabalho de sua equipe “tem implicações de longo alcance além dos pergaminhos do Mar Morto”, servindo, por exemplo, para destacar a tecnologia inicial de fabricação de pergaminhos e como evoluiu no antigo Oriente Médio.

Rabin também alertou que o tratamento à base de sal representa uma ameaça potencial aos manuscritos, dando aos pergaminhos “sensibilidade imprevisível a mudanças de umidade em pequena escala”.

“O ponto é que agora temos evidências da presença de sais que podem acelerar a degradação [dos manuscritos] … Esses são aspectos da preservação que devem ser levados em conta”, enfatizou Rabin.

Os Manuscritos do Mar Morto são considerados alguns dos artefatos históricos mais importantes do mundo, com a maioria deles sendo mantidos em uma instalação com controle climático no Museu de Israel em Jerusalém. No ano passado, o Museu da Bíblia, em Washington, descobriu que cinco de seus manuscritos eram falsificações.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente