Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Saúde

Riscos de infarto e AVC aumentam no verão

Carolina Paiva, Edição

Na estação mais quente do ano, o cuidado com a saúde deve ser ampliado. Durante este período, o risco de complicações para quem já teve algum tipo de disfunção cardiovascular é ainda maior. De acordo com o cardiologista Fabrício da Silva, para aqueles que já tiveram infarto ou têm doença coronariana, as altas taxas de calor podem causar um desequilíbrio de controle de temperatura do corpo, aumentando a demanda de trabalho do coração.

“É necessário um esforço cardíaco maior para que o indivíduo consiga perder calor para manter a temperatura do corpo mais controlada. Isto pode gerar um estresse cardíaco, contribuindo para a instabilização de alguns quadros”, explica o cardiologista.

Outro fator que deve ter atenção redobrada durante o verão é a constante hidratação. O calor pode causar a desidratação, fazendo com que aumente a viscosidade sanguínea, o que contribui para algumas instabilidades das placas coronarianas, aumentando assim o risco de infartos e acidente vascular cerebral.

Segundo Fabrício da Silva, pessoas que possuem doença coronariana também são mais suscetíveis à insolação. “Boa parte das medicações utilizadas para doenças cardiovasculares acabam dificultando o trabalho natural do nosso corpo de perder calor, seja os diuréticos, seja os betabloqueadores. Isso faz com que estes pacientes sejam mais suscetíveis à insolação. A condição pode ser fatal, pois ocorre quando a temperatura do corpo ultrapassa 40.6°C. Nesta situação, algumas proteínas param de funcionar e começa a disfunção de órgãos, podendo levar à morte. São situações mais extremas, mas é necessário ficar atento”, afirma Fabrício da Silva.

Indivíduos que possuem Insuficiência Cardíaca, também devem ficar em alerta. “Normalmente, são pacientes orientados a manter restrição de líquidos, pela própria condição do coração, por ter um órgão mais fraco. Eles são mais predispostos a desidratar neste período de alto calor. O ideal é que, sempre nesta época, o paciente retorne ao cardiologista para fazer ajustes medicamentosos, inclusive nas doses de diuréticos, para evitar situações de urgência”, conclui o cardiologista.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente