Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Vota Brasil

Rollemberg deita e rola com ausência de Ibaneis em debate

Foto/Reprodução
Carolina Paiva

O governador Rodrigo Rollemberg (PSB), que disputa mais um mandato à frente do Palácio do Buriti, foi o grande vencedor com a ausência do seu adversário Ibaneis Rocha (MDB) no debate que seria promovido na noite desta quinta, 25, pela TV Globo.  Com a falta do seu adversário, o candidato à reeleição usou o tempo para conceder uma longa entrevista.

O confronto na frente das câmeras estava confirmado até o final da tarde, quando a assessoria de Ibaneis, segundo a Globo, comunicou que o candidato do MDB não compareceria. Não houve nenhuma justificativa. Indignado com a ausência, Rollemberg disse que pretendia ouvir explicações do emedebista sobre denúncia de compra de votos.

Rollemberg criticou a ausência do adversário. “Um homem público, ele tem que ser expor, tem que se apresentar, tem que se colocar para o julgamento público. Eu participei de todo o primeiro turno, aqui mesmo, do debate com sete candidatos. Seis candidatos me atacando, criticando, buscando conquistar a minha vaga, para estar no segundo turno no meu lugar. Eram essas as regras do jogo e eu participei delas”, lamentou.

“O que eu gostaria de perguntar ao candidato: ele está sendo acusado de compra de votos e de abuso de poder econômico. Deverá ser caçado se vier ganhar a eleição. A legislação eleitoral prevê nesses casos uma nova eleição, que aconteceria dentro de um ano, pouco menos de um ano. E vocês se lembram o que Brasília passou com a Caixa de Pandora, quando nós tivemos quatro governadores em cinco meses? Essa cidade parou, trouxe muita instabilidade política, para a nossa cidade”, afirmou o governador.

“Eu gostaria de perguntar ao candidato a preocupação dele com essa instabilidade em função de uma provável cassação de mandato”, questionou Rollemberg. “Veja a contradição do candidato. Era importante ele estar aqui para esclarecer”, sublinhou.

Veja outros temas da entrevista:

Finanças públicas
“É importante registrar que nós já tivemos as nossas contas de 2015 e 2016 aprovadas. A de 2015 com o voto de aplauso do Tribunal de Contas por nós termos acabado com as pedaladas. O primeiro governo a acabar com as pedaladas. E, no entanto, o candidato diz que nós estamos com essa dificuldade econômica e está fazendo promessas, que só de aumento salarial seriam R$ 4 bilhões por ano. E eu pergunto a você que está nos assistindo: você acha mesmo que ele conseguiria cumprir uma promessa de dar aumentos que significam R$ 4 bilhões ao ano? E, além disso, dizendo que vai reduzir os impostos aos patamares de 2010 e, portanto, com isso reduzindo a arrecadação de R$ 3 bilhões anual e diz que vai resolver todos os problemas de transporte, da saúde, da educação em um ano. Você que está nos assistindo: você acha efetivamente que ele vai cumprir essas promessas?”

Sem pedalada
“Quando nós assumimos o governo, nós tínhamos um débito assumido pelo Tribunal de Contas no DF de R$ 3,1 bilhões, além de um buraco no orçamento de R$ 3,5 bilhões. E nós acabamos com a pedalada. Se você for considerar a pedalada, ou seja, o que todos os governos faziam, de pagar os salários de dezembro com os recursos já do ano seguinte, nós acabaremos o ano com um superávit de mais de R$ 600 milhões. Estamos com as contas arrumadas. Estamos pagando todas as contas em dia, pagando os fornecedores em dia e pagamos, praticamente, toda a dívida do governo passado. O que nos permite, por exemplo, já colocar na Lei Orçamentária Anual, uma previsão de reajuste de recomposição salarial para os servidores públicos de R$ 600 milhões anuais.”

Origem do dinheiro
“Se você considerar R$ 600 milhões, e como nós pegamos R$ 3,1 reconhecidos pelo Tribunal [de Contas], nós pagamos R$ 2,5 bilhões em três anos. Ou seja, nós arrecadamos, em três anos, R$ 2,5 bilhões a mais do que gastamos. Nós não vamos acabar com esse déficit. E se tivermos algum resto a pagar, nós vamos compensar nos primeiros meses do ano que vem em função da arrecadação, que já está a cada mês se confirmando.”

Aluguel legal e saúde
“Vou dar um exemplo: nós estamos propondo o aluguel legal. No primeiro ano, 10 mil famílias seriam beneficiadas, as 10 mil famílias mais carentes da lista da Codhab, e receberiam R$ 600 mensais enquanto esperam a construção da sua casa ou do seu apartamento. Isso vai dar R$ 72 milhões ao ano. Quando nós assumimos o governo, só na saúde, nós tínhamos R$ 600 milhões de serviços prestados sem contrato. Nós fizemos as licitações e economizamos mais de R$ 200 milhões por ano. Só no serviço de vigilância, que são contratos de cinco anos, sem reduzir postos de trabalho, nós tivemos uma redução de R$ 50 milhões por ano. Ou seja, com a economia que nós estamos fazendo, com essas licitações que nós estamos fazendo, nós vamos poder dispor de R$ 72 milhões por ano para pagar o aluguel legal. No primeiro ano, 10 mil pessoas. Essas 10 mil pessoas, à medida que receberem suas casas e apartamentos, darão lugar a outras 10 mil pessoas. 13 mil no segundo ano, que também vão passar a receber o aluguel legal enquanto suas casas e apartamentos não ficam prontos.”

Novos investimentos
“Eu provei que é possível governar sem corrupção e com responsabilidade – foram duas marcas de nosso governo. Eu não menti para a população. Se hoje os servidores estão recebendo em dia, foi graças a medidas corajosas que tomamos que permitem que recebam em dia. Enquanto têm estados como Minas Gerais, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul que não estão fazendo. Veja que com toda essa dificuldade, nós investimos nesses 4 anos, R$ 3,7 bilhões. Estamos com o Trevo de Triagem Norte, que é a maior obra viária da história de Brasilia, com 28 pontes, viadutos e ciclovias praticamente pronto. Nós estamos com duas obras de captação e de tratamento de água – que acabaram a crise hídrica do DF – já prontas e outra em curso que é a maior do Brasil, que vai ficar pronta no final do ano. Nós estamos com investimentos grandes de infraestrutura em Vicente Pires, Sol Nascente, Porto Rico e Buritizinho, frutos de toda essa economia responsável que a gente fez. Estamos concluindo três novas estações do Metrô e já soltamos uma licitação para expansão do metrô de Samambaia. Parte desses recursos são de financiamento. Já temos financiamento aprovado no senado de U$$ 100 milhões de dólares e, portanto, quase R$ 400 milhões para o Pôr do Sol e outros áreas carentes do DF, como o Morro da Cruz, em São Sebastião, Arapoanga e Mestre d’Armas, em Planaltina, e projetos já aprovados no Ministério das Cidades – como a expansão do Metrô de Ceilândia e da Asa Norte – aguardando liberação de recursos do orçamento federal para poder levar essas obras adiante.”

Obras em Vicente Pires
“Demorou porque fazer uma obra grande, enorme, de infraestrutura em uma cidade já feita, e feita de forma desorganizada, dá muito trabalho. Primeiro, porque no caso de Vicente Pires, a gente precisa ter autorização da União para fazer as lagoas de contenção, que é a primeira obra para poder fazer a drenagem. Ali, nós temos galerias que chegam à altura de duas pessoas em pé, são galerias enormes, que têm que ser feitas em ruas que já existem. Depois de prontas as obras, vamos colocar toda iluminação em LED, escolas, creches e unidades básicas de saúde, como já está planejado. Elas estão trazendo transtornos à população, a gente pede desculpas, mas aquilo vai trazer uma qualidade de vida enorme para Vicente Pires, que vai ser o melhor lugar para se morar.”

Obras do viaduto do Eixão Sul
“É uma demora natural. Nós chamamos o arquiteto que projetou o viaduto, a Universidade de Brasília (UnB), o Instituto de Arquitetos [do Brasil] e o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea). O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) não aprovou o projeto original, nós demoramos dois meses de negociação, respeitando o tombamento. O Ministério Público aprovou sem licitação, mas optamos por fazer com licitação; fizemos, a empresa foi selecionada e vai começar a obra. As intervenções viárias não estão causando transtorno nenhum para população, pelo contrário, até melhoraram o trânsito. O tapume ali fica feio, mas estamos fazendo tudo dentro da lei, com segurança e respeitando o tombamento de Brasília, como queria o Iphan e como queríamos todos nós que temos amor por Brasília.”

Hospitais públicos
“Estamos reformando vários hospitais, com pequenas e médias reformas. Fizemos isso em Sobradinho, no hospital de Planaltina. Construímos várias unidades básicas de saúde. Estamos licitando nesse momento 15 novas unidades de saúde. O Hospital do Câncer, já temos recursos de emendas federais. Já encaminhamos o projeto para a Caixa Econômica Federal, ele já foi aprovado e, se devolvido pela Caixa ainda esse mês ou no início de novembro, é possível licitar ainda este ano. No caso do Hospital de Ceilândia, a cidade é uma grande metrópole, é uma das 100 maiores cidades brasileiras. O hospital recebe muita gente de Águas Lindas (GO), não comporta tanta gente. Para se ter uma ideia, o Hospital Regional de Ceilândia realiza em torno de 700 partos todo mês. Precisamos, sim, de um novo hospital. Temos experiência de fazer hospitais, porque, apesar de toda dificuldade econômica, construímos um novo hospital, o da Criança, com 202 leitos e 38 leitos de UTI pediátrica, que já está funcionando e que tem o que há de mais moderno de tecnologia do mundo. Portanto, esses dois hospitais são importantes, mas é importante também fazer a reforma, como estamos fazendo aos poucos.”

Eleição nas satélites
“Já encaminhei o Projeto de Lei à Câmara Legislativa instituindo a eleição direta para administrador regional. Na campanha passada, eu dizia que precisaríamos fazer concurso público para colocar servidores estatutários nas administrações, o que não foi possível em função de assumirmos o governo com os limites da Lei de Responsabilidade Fiscal ultrapassados. Tão logo saímos, autorizei a realização do concurso e encaminhei o projeto à CLDF. Hoje tenho muita consciência que o que precisamos fazer é a realização de concursos públicos, além de equipar as administrações para que possam funcionar como prefeituras. Além disso, é preciso ter prestação de serviços como o “Na Hora”, e transformar as administrações regionais em grandes prestadoras de serviços à população. Hoje, há um grande benefício que produzimos para Administração Pública: nós implantamos o sistema eletrônico de informação em todos os 92 órgãos da administração. Isso significa economia de papel e transparência. Hoje não tem mais papel na gaveta. É impossível sumir a página de um processo. O cidadão pode acompanhar a tramitação de seu processo pela internet. Isso é grande conquista do serviço público. Além de termos arrumado as contas, fizemos esses serviços que modernizam o serviço público.”

Parcerias Público Privadas
“O Centro de Convenções já fizemos, o próximo é o Arena Plex, que está bastante avançado. Vamos transformar todo o complexo do estádio [Mané Garrincha] em um grande complexo de entretenimento, lazer, cultura, gastronomia e turismo. Vamos também fazer a TransBrasília, antiga interbairros, que vai ser um parque linear, ligando outros parques. Vai ter uma grande avenida e, com isso, melhorando a mobilidade de quem mora em Águas Claras e Guará, valorizando também aquela região.”

Reajuste de servidores
“Lamento a ausência do outro candidato porque seria um debate importante de fazr com ele. Ele diz que vai dar a paridade da Polícia Civil com a Polícia Federal, que custaria R$ 942 milhões ao ano. Pressionado pela PM, disse que vai dar o mesmo aumento, o que significaria R$ 1,9 bilhão ao ano. Disse também que daria o mesmo aumento para as 32 categorias profissionais, o que daria R$ 1,5 bilhão ao ano, ou seja, já vão ai mais de R$ 4 bilhões ao ano. Claro que professores, médicos e servidores da saúde não vão aceitar ter aumento de 2,5%, enquanto a polícia Civil vai ter aumento de 37%. O que o candidato estaria produzindo? Um caos na cidade. Ao não cumprir as promessas, que matematicamente são impossíveis de cumprir, já em janeiro, a PCDF entraria em greve, a PM em operação tartaruga. Imagine o clima de instabilidade que teríamos na cidade?! Nós temos na previsão da Lei Orçamentaria Anual, a previsão de R$ 600 milhões ao ano para o pagamento da última parcela do salário dos servidores públicos, e um compromisso de, já em janeiro, encaminhar para o Congresso Nacional e para a Presidência da República, um plano de carreira para PM e para o Corpo de Bombeiros. Depois de fazermos isso, queremos abrir uma negociação com esses servidores, especialmente com os professores, porque reconheço que das carreiras de nível superior, os professores têm uma defasagem maior que os demais. E queremos reduzir essa disparidade gradualmente. Gostaria muito que o candidato estivesse aqui para fazermos esse debate. Porque você sabe que ele está fazendo promessas que não vai poder cumprir, com volta de greves e a insatisfação de servidores. É muito importante que as pessoas estejam alertas a isso, mas tenho convicção que a população saberá escolher que um governo sem corrupção deve continuar.”

Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente