Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Mundo

Rússia descarta fazer da Venezuela uma nova Síria

Aviões russos têm levado soldados para Caracas. Foto/Sputniknews
Bartô Granja

O ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, rejeitou a alegação de que Moscou está tentando criar uma “segunda Síria” na Venezuela, em um comentário sobre a recente chegada de especialistas militares russos ao Estado latino-americano. “Há um acordo de 2001 assinado por Hugo Chávez e ratificado pelo parlamento nacional. Nós transferimos equipamentos militares para a Venezuela de acordo com este acordo. Isso requer manutenção. O tempo para realizar a manutenção chegou. É isso”, disse.

Lavrov criticou ainda mais a declaração do assessor de segurança nacional dos EUA, John Bolton, condenando os desdobramentos militares na Venezuela por países “externos ao hemisfério ocidental” como inaceitável. O chanceler destacou que os EUA têm bases militares em todo o mundo, não apenas no hemisfério ocidental.

“E o que os EUA estão fazendo? Veja um mapa mostrando as bases militares dos EUA no mundo. O mundo está coberto de ‘pontos vermelhos’ – cada um deles apresenta um risco bastante formidável”, disse Lavrov.

Comentando a crise política na Venezuela e uma possível intervenção dos EUA no país, Lavrov disse que a situação não deve repetir o cenário da crise dos mísseis cubanos. O ministro das Relações Exteriores da Rússia acredita que a maioria dos estados latino-americanos se oporá abertamente a uma intervenção militar dos EUA, impossibilitando sua realização.

A chegada de militares russos atraiu críticas dos EUA e de vários de seus aliados. O assessor de segurança nacional do presidente dos Estados Unidos, John Bolton, alertou a Rússia e outros países “externos ao Hemisfério Ocidental” contra a instalação de forças militares na Venezuela; Enquanto isso, o Representante Especial para a Venezuela Elliott Abrams, por sua vez, advertiu que “os russos pagarão um preço” pela mudança.

A Venezuela está afundada em uma grave crise política. O chefe da Assembléia Nacional, controlada pela oposição, que todas as outras filiais do governo se recusam a reconhecer desde 2016, Juan Guaido, declarou-se o “presidente interino” do país e foi imediatamente reconhecido pelos EUA e muitos de seus aliados. Ao mesmo tempo, numerosos Estados, incluindo Rússia, China e Turquia, se recusaram a fazê-lo e, em vez disso, apoiaram o presidente constitucionalmente eleito, Nicolás Maduro, batendo o amplo apoio ocidental a Guaido.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente