Curta nossa página


Santa Cruz empata com Náutico e perde chance de entrar no G4

Publicado

Autor/Imagem:


Sonhando com uma vaga no G-4 da Série B do Campeonato Brasileiro, o Santa Cruz visitou o Náutico neste sábado para mais um Clássico das Emoções. Na Arena Pernambuco, em Recife, as equipes tiveram muitas chances de gol, mas ficaram no empate em 0 a 0.

No primeiro tempo, os anfitriões do confronto tiveram as melhores chances de gol e a maior posse de bola. Apesar disso, o Santa reagiu no fim da etapa inicial, com duas chances importantes. Mesmo assim, o duelo não saiu do zero.

Na volta dos vestiários, o Náutico iniciou pressionando os adversários assim no começo do jogo. Apesar disso, na parte final do confronto, o Tricolor do Arruda passou a ter as melhores oportunidades, que acabaram parando no goleiro Júlio César e ninguém conseguiu balançar as redes.

Com o resultado, o Santa Cruz ficou com 52 pontos e o Náutico com 46. Na próxima rodada, o Timbu recebe o Luverdense no próximo sábado, 15 de novembro, às 17h20 (de Brasília), na Arena Pernambuco. Enquanto isso, o Cobra Coral visita o Bragantino, nas mesmas data e horário, no estádio Nabi Abi Chedid, em Bragança Paulista, interior de São Paulo.

Em busca da vitória em casa, o Náutico partiu para cima dos rivais. Logo aos 2 minutos do primeiro tempo, Marinho deu um chapéu em Renan Fonseca dentro da grande área e chutou. O goleiro Tiago Cardoso executou ótima defesa, evitando o primeiro gol do Timbu.

Melhor da partida, o Alvirrubro teve as melhores chances de gol no início do confronto. Após cruzamento do meio-campo Vinicius aos 17 minutos, Luiz Alberto tocou a bola para dentro da área e Renato Chaves subiu para, de cabeça, mandar para o gol, mas Tiago Cardoso novamente defendeu.

O Santa, que precisava do resultado para se aproximar do G-4, não conseguia oferecer perigo aos rivais e só se defendia. Aos 27 da etapa inicial, Vinícius cobrou escanteio na segunda trave, Luiz Alberto ajeitou para dentro da área e a bola sobrou para Gastón, que pegou de primeira, mas mandou pro cima do gol adversário.

A primeira grande chance dos visitantes foi apenas aos 34 minutos. Wescley tabelou com Natan, fez fila e chutou cruzado para o gol, mas a bola passou rente à trave esquerda de Júlio César. Aos 43, Wescley novamente fez boa jogada, driblando três jogadores, mas a bola parou no goleiro do Náutico.

Na volta dos vestiários, o Náutico começou pressionando o Santa Cruz, assim como no início do confronto. Aos 2 minutos da etapa complementar, Vinícius cobrou falta na grande área, a bola bateu em Luiz Alberto e quase surpreendeu Tiago Cardoso. O goleiro tricolor conseguiu se recuperar e caiu no canto esquerdo para fazer a defesa.

Aos 8 minutos, o goleiro Tiago Cardoso saiu jogando errado. Marinho ficou com a bola e chutou para o gol, mas o arqueiro dos visitantes defendeu parcialmente. No rebote, Cañete tentou tocar por cima de Cardoso, mas acabou pegando forte demais na bola, perdendo a chance de inaugurar o placar na Arena Pernambuco.

O confronto esfriou um pouco e o Santa Cruz teve boas chances de marcar. Em jogada de contra-ataque, aos 29 do segundo tempo, Cassiano soltou o pé esquerdo para o gol, a bola desviou na zaga adversária e quase entrou no gol. Dois minutos depois, Keno arriscou chute na meta e Júlio César caiu para fazer a defesa.

O Náutico respondeu aos 35 minutos, com Marinho, que tentou surpreender o goleiro Tiago Cardoso, mas não obteve êxito. O jogo, então, terminou equilibrado, com as duas equipes se revezando nos respectivos campos de ataque. Apesar disso, as redes não balançaram no quarto Clássico das Emoções.

Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2024 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.