Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Brasília

Saúde de Brasília para na lixeira. Literalmente

Bartô Granja

Enquanto o governador Ibaneis Rocha (MDB) diz que a saúde pública em Brasília mudou da água para o vinho, pacientes morrem em hospitais públicos da capital da República. Quando não é por falta de médicos, é que o medicamento não existe. É um quadro totalmente inverso da propaganda do Palácio do Buriti.

O exemplo mais recente, dramático e lamentável, foi a morte da moça Beatriz Viana da Silva. Ela tinha apenas 19 anos e morreu após ter uma parada cardiorrespiratória no Hospital Regional de Sobradinho, no sábado, 11. Não havia médico para atender, denuncia o viúvo Wesley Nascimento.

A saúde pública foi apontada por Ibaneis Rocha, durante a campanha eleitoral, como uma das suas prioridades. O setor vive em estado de calamidade “e vamos acabar com isso”, prometeu.

Foi, porém, mais uma promessa eleitoreira. Pacientes morrem por descaso (do Poder Público) e má gestão do governo na área da saúde. A promessa de acabar com o caos valeu somente durante a campanha, segundo usuários da rede pública.

Ao contrário do que diz a campanha publicitária do governador Ibaneis Rocha, o GDF não ‘foi lá e fez’. Quem procura, não acha o que dizem ter sido feito. Como é de achar estranho, também, a volta da famosa propaganda de ‘mídia exterior’.

Pacientes alertam que promotores, procuradores e outras autoridades que são responsáveis por zelar pela coisa pública, devem ficar atentos a isso. Ou, advertem, Brasília corre o risco de acabar na lixeira.

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente