Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


As musas

Semana será marcada por saudades de Ellis e Maysa

Publicado

Foto/Imagem:
Thiago Guimarães/Via ABr Foto de Arquivo

Duas das maiores cantoras da música brasileira serão lembradas nesta semana: no dia 19, completam-se 40 anos sem Elis Regina. Já no dia 22, serão 45 anos desde a morte de Maysa. Elis Regina, nascida em 1945, revolucionou a música e deixou a sua belíssima voz marcada na bossa nova, na MPB e em tantos outros gêneros musicais. Sempre muito política, Elis é intérprete de inúmeros sucessos, entre eles Águas de março, com Tom Jobim, Como nossos pais e O bêbado e o equilibrista.

Elis se inspirou bastante nos cantores de rádio da sua época e começou sua carreira ainda na adolescência. No entanto, foi nos grandes festivais de música dos anos 1960, transmitidos pela televisão, que ela apresentou a extensão de sua voz e a sua dramaticidade enquanto cantava. O seu gestual, enquanto se apresentava, é um traço marcante de suas performances.

Apelidada de Pimentinha, Elis chegou a ter uma projeção internacional: foi comparada a Ella Fitzgerald, a cantora que ficou eternizada pela potência de sua voz. Foram quatro milhões de discos vendidos em 18 anos de carreira. Elis Regina faleceu no auge de sua carreira, no ano de 1982, aos 36 anos, vítima de uma parada cardíaca após consumo de álcool, drogas e medicamentos. Ela deixou três filhos e uma legião de admiradores.

Oo biógrafo Julio Maria, autor do livro Nada será como antes, conta a vida de Ellis. O escritor detalha traços do talento único da gaúcha, seus relacionamentos e seu temperamento explosivo. E seus grandes sucessos, como: Baby face, Fascinação, Atrás da porta, O bêbado e o equilibrista e Nada será como antes.

Também devem ser destacadas as memórias do produtor musical João Marcello Bôscoli, filho da cantora Elis Regina e autor do livro Elis e eu: 11 anos, 6 meses e 19 dias com minha mãe. Bôscoli dividiu as lembranças que tem de Elis – como quando, por exemplo, descobriu que ela era famosa – e outras recordações infantis da figura icônica que foi sua mãe:

Maysa
Também é momento de relembrar uma outra grande artista da música brasileira. No dia 22 de janeiro de 1977 – há 45 anos -, morreu a cantora Maysa. Ela, que é de 6 de junho de 1936, ficou marcada também pela sua voz e pelo seu olhar inesquecível. Maysa fez sucesso nas décadas de 1950 e 1960, por meio de canções que falavam muitas vezes do amor, mas também da dor.

Maysa é sempre lembrada por sua interpretação de músicas como Meu mundo caiu, Eu sei que vou te amar, de Vinícius de Moraes, e O barquinho. Além disso, ela viajou aos Estados Unidos para gravar músicas e fazer uma temporada de shows. Entretanto, a cantora também enfrentou muitos problemas de ordem pessoal, inclusive a depressão, o que a levou a se isolar em uma praia de Maricá em um determinado momento de sua vida. Maysa se envolveu em um acidente de carro, e faleceu com apenas 40 anos.

Também no dia 22 de janeiro o político e ex-governador do Rio Grande do Sul e do Rio de Janeiro, Leonel Brizola, faria 100 anos. Ele faleceu, vítima de um infarto, em junho de 2004, aos 82 anos de idade. Brizola foi deputado estadual, prefeito de Porto Alegre, deputado federal e governador dos estados do Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. Também foi candidato à presidência em 1989 e 1994, e foi exilado, no período da ditadura militar, por 15 anos.

Brizola sempre foi um defensor do modelo trabalhista, exercendo isso por muitos anos no PTB, por meio dos ideais de Getúlio Vargas, e posteriormente no Partido Democrático Trabalhista, fundado por ele.

Dia do Queijo
Já no dia 20 de janeiro é comemorado o Dia do Queijo. A data foi escolhida para celebrar e homenagear este alimento que está no nosso paladar há mais tempo que podemos imaginar. Estima-se que o queijo, feito a partir da coagulação do leite de mamíferos, já era produzido antes mesmo da ascensão do Império Romano.

Com uma origem um pouco incerta, o que importa é que ele está presente na mesa dos brasileiros, com cada vez mais diversificações . No Brasil, a produção de queijos artesanais cresce progressivamente, com atenção para o mercado de Minas Gerais.

Intolerância Religiosa
No dia 21 de janeiro, é comemorado o Dia Nacional do Combate à Intolerância Religiosa. A data foi instituída para promover a união entre todas as crenças. Ademais, o respeito pela religião do outro é algo que esta data vem relembrar, além da liberdade de exercer a fé também. A intolerância religiosa sempre está em debate no país, mostrando exemplos de sincretismo religioso, presente em nossa cultura desde os tempos do Brasil colônia.

Publicidade
Publicidade