Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Veículos

Será carro, foguete ou avião com motor 6.6?

Antônio Albuquerque, Edição

São apenas 24 unidades. Cada uma delas sai por US$ 2,1 milhões (cerca de R$ 10,7 milhões na conversão direta, sem impostos). Assim como o preço, a potência do Hennessey Venom F5 assusta, afinal, o motorzão 6.6 V8 biturbo gera 1.842 cv a 8.000 rpm. Tais números, segundo a marca norte-americana, são responsáveis por levar o novo hiperesportivo aos 100 km/h em 2,6 segundos.

Em desenvolvimento desde 2017, o hipercarro, a princípio, vinha sendo mostrado aos poucos. De lá para cá, em síntese, algumas mudanças foram feitas face ao protótipo apresentado. Assim como nos McLaren, o modelo que acaba de ser revelado exibe quatro ponteiras na traseira e um grande difusor. Na dianteira (curta e baixa), destaque para as linhas arredondadas e faróis verticais iluminados por LEDs. Atrás, enfim, o cofre do motor fica exposto por um vidro, dando um charme todo especial.

No habitáculo, couro e fibra de carbono por todos os lados. Tem central multimídia com tela de 9 polegadas e painel de instrumentos digital (7″). O volante multifuncional, todavia, é ao estilo Fórmula 1, com vários botões e paddle shift para a troca de marchas. O câmbio, aliás, é automático de sete posições. O acesso ao interior, inclusive, é feito pelas portas que se abrem para cima. Os bancos, portanto, são esportivos e têm cintos de quatro pontos.

Também responsáveis por tamanho desempenho estão a carroceria toda de fibra de carbono. No total, o modelo pesa apenas 1.360 kg – apenas 30 kg a mais do que uma Ferrari F8 Tributo. A relação peso/potência é de 0,76 kg/cv. O torque máximo, inclusive, é de 164,3 mkgf. Número disponível por volta dos 5.500 giros. Para comparação, um Porsche 911 – que já é considerado um canhão – tem motor de 385 cv e 46 quilos de torque.

Tais credenciais farão com que a Hennessey leve o Venom F5 para teste na pista da NASA em 2021. No Kennedy Space Center (Flórida, EUA), a ideia é chegar, oficialmente, aos 512 km/h. Caso o resultado seja cravado, o novato terá, enfim, o título de carro de rua mais veloz do planeta.

Para quem não se lembra, o SSC Tuatara não teve seus 508 km/h reconhecidos pelo Guiness World Records. Dentre os motivos, o teste deve ser testemunhado por um fiscal do órgão, o que não aconteceu.

Para tamanha potência, um pacote de itens bem pensado. A engenharia da empresa apostou, dessa forma, em soluções como bloco de ferro fundido, cabeçotes de alumínio e válvulas de admissão de titânio. A marca afirma que bielas e pistões são forjados. Informações apontam, inclusive, que a sétima marcha recebeu uma relação extremamente longa. Há, também, uma nova estrutura monocoque de fibra de carbono, que pesa apenas 86 kg.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente