Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Brasília

Servidor público cobra salário maior e acena com uma greve geral



Servidores Públicos Federais fizeram uma manifestação em frente ao Ministério do Planejamento, nesta quarta-feira 7, para reivindicar melhores salários e mais estrutura em seus locais de trabalho.

Os servidores vêm de todas as partes do país e atuam em várias áreas do funcionalismo. Durante o ato, eles cercaram a entrada do ministério, impedindo a entrada dos funcionários que chegavam para trabalhar. Cerca de 2.000 pessoas participaram do protesto, segundo a Polícia Militar. No início da tarde, a entrada dos funcionários já havia sido normalizada.

Os manifestantes querem pressionar o governo federal para que as reivindicações sejam atendidas. Pela manhã, representantes dos trabalhadores foram recebidos no Ministério do Planejamento e apresentaram a pauta de reivindicações, dentre as quais o aumento de benefícios como auxílio creche. Eles também se posicionaram contra a privatização de hospitais universitários.

Segundo o integrante do Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Federais, Paulo Barela, paralisações e greves devem continuar ocorrendo. “As greves estão acontecendo e, na segunda quinzena de maio, entram em greve os servidores do Judiciário Federal. E os trabalhadores da cultura entram no dia 12 também deste mês”. Segundo Barela, “Há uma tendência que até junho mais greves venham a ocorrer”.

Representantes de categorias que já estão de greve, a exemplo dos técnico-administrativos das universidades federais e dos institutos federais, estão acampados em Brasília, desde a noite de ontem.

Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente