Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Curiosidades

Stonehenge foi erguido por quem? E por quê?

Mike Pitts

Na ausência das multidões de turistas, posso apreciar a majestade tranquila de Stonehenge, monumento pré-histórico encontrado na Inglaterra. Faz 40 anos desde que eu executei uma escavação por lá.

Nesse período, aprendemos mais sobre o monumento e as pessoas que o construíram do que eu imaginava ser possível. Mas podemos finalmente dizer por que Stonehenge foi construído? Eu diria que não. Quanto mais aprendemos, maior o mistério.

Construímos nossa imagem do passado antigo a partir de coisas que descobrimos e de coisas que imaginamos. A pesquisa histórica, que não encontrou nenhum registro da construção de Stonehenge, procurou fixar a construção em povos antigos conhecidos de outros países — gregos, romanos e dinamarqueses do início da Idade Média.

Tal especulação foi dinamitada em 1901, quando a primeira escavação científica no local não mostrou nada que não fosse reconhecido como ferramentas e escombros de britânicos pré-históricos.

Stonehenge foi uma criação dos povos indígenas neolíticos. A discussão passou então de quem a construiu a que tipo de sociedade era responsável por ela.

Stonehenge era o símbolo supremo de uma cultura já sofisticada, talvez, onde os grandes monumentos eram expressões de status, poder e meios de controle? Ou era um ponto focal em um mundo igualitário que precisava de lugares espaçosos para as pessoas se reunirem para trocar, socializar e participar de rituais e cerimônias comunitárias?

Os avanços na arqueologia mudaram o equilíbrio da pesquisa em grande parte a favor da evidência das coisas que descobrimos.

Com novas tecnologias científicas, mais escavações e mais arqueólogos fazendo mais perguntas, agora temos significativamente mais dados do que poderíamos imaginar 40 anos atrás.

No entanto, ainda não podemos responder à pergunta: por que Stonehenge existe? De fato, muito pelo contrário. Quanto mais descobrimos, mais percebemos que o monumento é uma incrível execução técnica, mas é francamente estranho.

“Que ótimo!”, escreveu Richard Colt Hoare, antiquário e arqueólogo britânico, quando estava olhando para Stonehenge em 1810. “Que maravilha! Que incompreensibilidade!”

Uma das grandes realizações da arqueologia nos últimos dois séculos foi provar que Hoare estava certo: Stonehenge é verdadeiramente incompreensível.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente