Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Curiosidades

Tabuleta apresenta prática exorcista de 2 mil 700 anos

Bartô Granja, Edição

Um pesquisador dinamarquês descobriu o desenho de um demônio culpado por ataques epiléticos em uma tábua de argila assíria de 2.700 anos. O assiriologista Troels Pank Arbøll, da Universidade de Copenhague, fez a descoberta impressionante ao inspecionar uma tabuleta de escritos antigos no Museu Vorderasiatisches, em Berlim.

“Fui o primeiro a notar o desenho, apesar de o texto ser conhecido pelos pesquisadores há décadas. Portanto, isso não é facilmente visto hoje, a menos que se saiba que existe devido aos danos no manuscrito ”, disse Arbøll ao site Live Science.

Ele descreveu o desenho como uma representação do “demônio real, em vez de outros desenhos comparáveis, que geralmente representam uma estatueta feita durante um ritual para remover a doença”.

Ele disse que o tablet veio da biblioteca de uma família de exorcistas que viveu por volta de 650 aC na cidade de Assur, que atualmente é o território do norte do Iraque. Em sua pesquisa, ele apontou que o demônio, conhecido como Bennu, tem “chifres curvos, a língua de uma serpente e possivelmente um olho de réptil”.

Ele acrescentou que os cientistas sabiam há muito tempo que os assírios e babilônios consideravam as doenças como fenômenos causados ​​por deuses, demônios ou bruxaria ”, algo com que os curandeiros estavam lidando.

“Mas é a primeira vez que conseguimos conectar uma das raras ilustrações de demônios nos textos médicos com a epilepsia específica da doença, que os assírios e os babilônios chamavam de Bennu”, apontou Arbøll.

A inscrição do tablet, que inclui curas para sintomas de epilepsia, é escrita em cuneiforme, um antigo sistema de letras criado ao pressionar uma caneta triangular em argila amolecida.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente