Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Curiosidades

Templo Satânico bate de frente com justiça americana

Foto/Sputniknews
Bartô Granja

O Templo Satânico americano decidiu questionar a decisão da Suprema Corte tomada na terça-feira, 28, que exige o enterro ou a cremação de restos fetais, mas os satanistas sustentam que a regra vai contra suas liberdades religiosas e que, por isso, devem ter imunidade. Um de seus princípios fundamentais é a inviolabilidade do corpo.

“Os membros do Templo Satânico acreditam que o tecido fetal não viável é parte da mulher que o carrega e, como tal, as imposições estatais dos requisitos cerimoniais que ditam o seu descarte, salvo quaisquer preocupações médicas ou sanitárias plausíveis, são uma violação do Exercício Livre da religião. Isso permite aos satanistas contextualizar o término de uma gravidez em seus próprios termos, com referência às suas próprias crenças religiosas”, diz a declaração.

O porta-voz e cofundador do grupo, Lucien Greaves, disse ao Arkansas Times que o grupo “não será obrigado a pagar por esses enterros punitivos, supérfluos e insultuosos”.

“Reivindicamos uma isenção por motivos de liberdade religiosa, e quase certamente prevaleceremos nos tribunais se formos forçados a lutar”, declarou.

Outro membro do Templo Satânico também desafiou, com base na liberdade religiosa, uma lei do Missouri que diz que as mulheres devem comunicar a decisão de realizar um aborto e aguardar três dias até poder fazer o procedimento, informou a Associated Press. O tempo regulamentado na lei é usualmente chamado de “período de consciência” e serve para que a mulher reflita sobre a decisão após ser informada de todas as opções possíveis, incluindo os serviços de adoção e de ajuda financeira governamental.

A organização, que não adora o Satanás da Bíblia e o escolher apenas como seu símbolo para promover o ceticismo pragmático, é conhecida por sua defesa vocal pela separação entre Igreja e Estado.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente