Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Mundo

Tempo esgotado, diz Irã. E aponta artilharia para Arábia Saudita e Emirados Árabes

Foto/Arquivo Notibras
Bartô Granja, Edição

O comandante-chefe do Corpo de Guardas Revolucionários Islâmicos (IRGC) do Irã, general Mohammad Ali Jafari, advertiu a vizinha Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos que eles poderiam enfrentar retaliações por terem apoiado os terroristas, “pelas ordens dos EUA e de Israel”, pelo ataque que provocou a morte de 27 soldados da guarda iraniana.

O ataque foi na quarta-feira, 13. Neste sábado, 16, o general ressaltou que o Irã daria uma resposta “decisiva” aos seus adversários da região.

“A paciência que o establishment uma vez exerceu contra conspirações e regimes reacionários na região, especialmente a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos que realizam esses atos sob ordens dos EUA e do regime sionista, será diferente e definitivamente tomaremos medidas reparadoras”, sublinhou Ali Jafari.

“O traiçoeiro governo da Arábia Saudita e dos Emirados deve saber que a paciência da República Islâmica sobre o seu apoio oculto aos criminosos e grupos Takfiri chegou ao fim eo Irã não vai mais tolerar isso”, disse Jafari em um discurso para a multidão. Ele supostamente pediu ao presidente Hassan Rouhani para dar liberdade ao IRGC para retaliar.

Jafari prosseguiu afirmando resolutamente que os inimigos devem levar em conta que “os camaradas desses mártires e todos aqueles que fizeram convênios com o povo para estabelecer segurança, estão ainda mais determinados a defendê-los e a dar um golpe ainda mais forte” a seus inimigos. inimigos.

Além disso, o chefe do IRGC se dirigiu ao alegado apoio do Paquistão aos jihadistas que promovem o terror em seu país, pedindo a Islamabad que endureça sua política contra o grupo terrorista sunita Jaish ul-Adl, que assumiu a responsabilidade pelo atentado de quarta-feira. Segundo Jafari, o governo paquistanês, que “abrigou esses elementos contra-revolucionários” que representam um perigo para o Islã e “conhece seu esconderijo, sendo apoiado por forças de segurança paquistanesas”, deve ser responsabilizado pelo ataque terrorista.

Em 13 de fevereiro, um carro carregado de explosivos bateu em um ônibus que transportava os soldados do IRGC a meio caminho entre as cidades de Zahedan e Khash, com a explosão subsequente deixando 27 mortos e 13 feridos. No sábado, dezenas de camaradas dos caixões caídos circulavam na traseira de caminhões, enquanto milhares de pessoas participavam de um funeral em massa para os soldados, com muitos na multidão cantando “Morte à América” ​​e “Morte ao Sionismo”.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente