Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Brasil

Tempos estão difíceis, mas não há desamparo

Sérgio Mansilha

Nessa primeira semana de fevereiro escrevi o artigo “Otimismo é uma escolha de vontade e esperança” esse tema nos dias atuais é sempre recorrente, eu particularmente gosto de abordar questões de significado e felicidade.

Se o otimismo é um remédio, e quando a dose ingerida não é o suficiente, então; o que fazer quando o futuro parece sem esperança Os humanos gostam de se sentir otimistas no controle do rumo que sua vida está tomando, porém, a pandemia tornou muito difícil se sentir assim.

Você vive no futuro? Eu também. Todos nós pensamos assim. É a natureza humana, no entanto, há momentos como durante uma pandemia em que essa natureza nos faz sofrer.

No final do ano passado fiz uma leitura no livro Homo Prospectus, em que um dos autores era o psicólogo e filósofo Martin Seligman, o que me chamou atenção foi o que ele narra que em média gastamos 30 a 50 por cento de nosso pensamento autogerado, ou seja, o que pensamos quando não estamos tentando nos concentrar contemplando o futuro distante. Nenhuma outra criatura faz isso, com a pequena exceção de alguns primatas que armazenam ferramentas para uso futuro. Esse escritor sinaliza que somos criaturas “em potencial”.

Em seu texto ele escreve sobre a mente do macaco, “O macaco não quer ficar parado; ele quer saltar para a próxima árvore e ver o que há lá. ” O futuro macaco em nossas mentes deseja ver muitas frutas saborosas e encontrar uma maneira de obtê-las; a melhor maneira de frustrá-lo é com uma árvore vazia ou onde a fruta está fora de seu alcance. Como passamos tanto tempo vivendo no futuro, ficamos felizes em sentir que o futuro está repleto de possibilidades de melhorias e que temos algum controle sobre como transformar essas possibilidades em realidade. Em contraste, um coquetel quase perfeito para o sofrimento é o pessimismo e o baixo controle pessoal sobre nossas circunstâncias.

O que pude observar na leitura desse livro, trazendo para o mundo atual é que, por causa da pandemia, o futuro parece difícil e incerto, e poucos de nós têm muito controle sobre ele, além de fazer o melhor para manter a nós mesmos e as pessoas ao nosso redor seguro. O resultado é um monte de macacos infelizes.

Na semana passada recebi uma ligação de um colega que me disse: “Acordo todos os dias sem nada para esperar”, e mais ainda. “Estou com vontade de ficar na cama. ”

Pessoal, desprezamos o pessimismo, criando até divertidos personagens pessimistas, como Charlie Brown, quem se lembra? Mas na vida real, o pessimismo não é brincadeira.

Em suma, voltando a minha análise, coisas ruins acontecem quando seu macaco está frustrado. As coisas ficam ainda piores quando todos os nossos macacos estão na mesma árvore vazia. Muitas pessoas não apenas se sentem pessimistas sobre seu futuro pessoal agora; há também uma sensação coletiva avassaladora de impotência e negatividade. Não é apenas que meu futuro parece sombrio, o nosso também. E como a pandemia é um fenômeno coletivo, pouco podemos fazer para ignorá-la ou evitar as restrições que ela impõe às nossas vidas. Há muito pouca novidade para interromper nossos dias, poucos rostos novos, pouco movimento, poucos eventos divertidos para esperar. Tudo o que podemos fazer é esperar, para ser vacinado, pela eleição Presidencial 2022, pela imunidade coletiva, por algo, qualquer coisa, que possa mudar nossas perspectivas.

Mas não estamos desamparados. Embora haja pouco que possamos fazer para mudar a dura realidade da pandemia, podemos mudar a mentalidade que usamos para enfrentá-la. Fazendo duas coisas, podemos melhorar nossa capacidade de lidar com essa situação, bem como, com a negatividade e a sensação de impotência no futuro.

É muito comum que o pessimismo geralmente distorce a realidade. Seligman (escritor) recomenda em seu livro que os pessimistas combatam sua tendência de esperar o pior, empregando o que chamam de técnica de contestação, verbalizando as suposições negativas que fazemos sobre o futuro e contestando-as com fatos realistas.

No meu entendimento vou citar um exemplo sobre o narrado acima: No final de 2019 ministrava treinamento corporativo em algumas empresas e algo que adoro é passar o tempo com os treinandos na sala de aula. Isso me dá energia e alegria. No início de 2020 devido a COVID-19, todas as aulas restantes passarão ser online. Gravo minhas palestras e podcasts com antecedência na frente de uma câmera em meu local de vídeo e áudio improvisado. O único feedback em tempo real que recebo é uma mensagem dizendo que fiquei sem espaço no disco rígido, rs…

Outro dia, me peguei pensando sombriamente que provavelmente nunca voltaria em pessoa; que esse seria meu novo normal, para sempre. Esse pessimismo, alimentado por notícias que li com o título:

“Será que a Covid-19 alterará para sempre a experiência das empresas? ”

Estamos, de fato, criando treinamentos híbridos e planejando um futuro presencial. Há uma boa chance de estar de volta à sala de treinamento no próximo ano. Minha estranha situação de trabalho é entediante, mas temporária.

Provavelmente, seu futuro também é mais brilhante do que você pode pensar em seus momentos mais sombrios, portanto, discuta seu pessimismo não com otimismo estúpido, mas com fatos. Construa um caso sólido para algo diferente do cenário de pior caso e argumente para si mesmo como um advogado. E já que está nisso, leia menos histórias sobre a pandemia. Você provavelmente não está aprendendo nada novo, mas sim tentando ter um pouco mais de certeza sobre o futuro, o que é impossível.

E por que não transformar restrições em decisões?

Por um tempo, na casa dos 25 anos, ganhei a vida sendo gestor de empresas de serviços. Quando eu tinha problemas no meu trabalho, meu diretor costumava dizer: “Transforme restrições em decisões”. Em outras palavras, comece um exame de cada problema listando as limitações aparentes de sua liberdade e, em vez de considerá-las certas, considere como você pode alterá-las.

Vou citar outro exemplo, no caso dos bloqueios da COVID-19, a reclamação sobre o trabalho que ouço com mais frequência é que, com a incapacidade de trabalhar de maneira normal, a produtividade é arruinada. Não podemos ter um desempenho de acordo com nossos próprios padrões, seja por causa das demandas conflitantes de cuidados infantis, por estarmos isolados dos colegas de trabalho ou apenas pelo cansaço do Zoom, e isso é enlouquecedor. Muitas pessoas sentem que estão presas em um ciclo de mediocridade frustrante.

A resposta é mudar a definição de produtividade. Muitos de nós temos uma noção distorcida de uma vida produtiva que gira em torno da pura produção de trabalho. Alguns têm pouca escolha no assunto, mas a maioria dos brasileiros trabalha mais do que o necessário para cumprir suas responsabilidades profissionais.

Se isso descreve você, então use este período para redefinir sua definição de produtividade. É verdade que muitos aspectos de muitos empregos foram dificultados pela pandemia. Mas outras partes de uma vida verdadeiramente produtiva estão implorando por sua atenção. Você pode definir metas para exercícios, trabalhar na aquisição de novas habilidades, passar mais tempo com seus entes queridos ou aprender a domesticar sua mente de macaco na meditação, esse é o tipo de produtividade que irá recompensá-lo a longo prazo e pode ajudá-lo a estabelecer um equilíbrio mais saudável e feliz quando a pandemia acabar.

Como já escrevi muitas vezes neste blog, a maneira mais saudável de olhar para a COVID-19 ou qualquer período difícil de nossas vidas, é como uma oportunidade de melhoria e crescimento pessoal, sem afastar as emoções negativas que são um subproduto natural de tempos difíceis.

À medida que confrontamos o pessimismo no contexto da COVID-19, começaremos a vê-la e a administrá-la de maneira mais geral em nossas vidas. Se tivermos sorte, este é o período mais pessimista e impotente que iremos enfrentar. Mas mesmo que tempos difíceis o aguardem, o que nosso macaco aprender hoje o ajudará mais tarde.

Pense nisso.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente