Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


De dentro pra fora

Terra esfria rápido e logo ficará como Marte e Mercúrio

Publicado

Foto/Imagem:
Svetiana Ekimenho/Via Sputniknews - Foto Divulgação

O interior derretido da Terra está esfriando em um ritmo mais rápido do que o previsto anteriormente, com os cientistas agora alertando que nosso planeta pode se tornar uma rocha estéril como Marte ou Mercúrio mais cedo do que o esperado.

Um novo estudo examinou a condutividade térmica dos minerais que formam a fronteira entre o núcleo externo de ferro-níquel da Terra e o manto inferior do fluido fundido acima dele. A pesquisa foi publicada na Earth and Planetary Science Letters.

Em seu artigo, “Condutividade térmica radiativa de bridgmanita de cristal único no limite do manto central com implicações para a evolução térmica da Terra”, os cientistas revelam sua sondagem sobre quão bem o mineral de limite, bridgmanita, poderia conduzir calor do núcleo para a superfície.

Para conseguir isso, a equipe, liderada pelo professor de Física Mineral Experimental Motohiko Murakami da ETH Zurique, Suíça, e seus colegas da Carnegie Institution for Science desenvolveram um sistema de medição sofisticado. Eles irradiaram um único cristal de bridgmanita com lasers pulsados ​​para medir sua condutividade térmica em laboratório, sob condições de pressão e temperatura simulando as do interior da Terra.

“Este sistema de medição nos permite mostrar que a condutividade térmica da bridgmanite é cerca de 1,5 vezes maior do que a presumida”, disse Murakami.

Os resultados os levaram a determinar que o limite núcleo-manto era capaz de dispensar tanto calor que o resfriamento da Terra estava acelerando muito mais rápido do que o esperado anteriormente.

Há cerca de 4,5 bilhões de anos, quando nosso planeta foi formado, temperaturas extremas n]ão permitiam vida, até que o calor arrefeceu a superfície. No entanto, a enorme energia térmica que emana do interior da Terra impulsiona processos dinâmicos, como convecção do manto, placas tectônicas e vulcanismo.

O fluxo de metal líquido no núcleo externo da Terra gera correntes elétricas, enquanto a rotação do nosso planeta em seu eixo faz com que essas correntes elétricas formem um campo magnético que se estende ao seu redor.

Este último é de vital importância para sustentar a vida na Terra, pois sem ele estaríamos expostos a grandes quantidades de radiação do Sol. Por exemplo, o planeta Marte não tem metal líquido fluindo em seu núcleo, seu campo magnético fraco provavelmente permitindo que sua atmosfera seja arrancada pelos ventos solares, tornando-a inabitável.

A questão permanece com que rapidez a Terra está esfriando e quanto tempo pode levar para esse processo colocar a tampa nesses processos acionados pelo calor. À medida que os resultados do estudo recente foram divulgados, a equipe de cientistas revelou que o processo de resfriamento dentro da Terra pode estar se acelerando.

Quando esfria, a bridgmanita se transforma em um mineral chamado pós-perovskita, que é ainda mais termicamente condutor.

“Nossos resultados podem nos dar uma nova perspectiva sobre a evolução da dinâmica da Terra… Eles sugerem que a Terra, como os outros planetas rochosos Mercúrio e Marte, está esfriando e se tornando inativa muito mais rápido do que o esperado”, disse Murakami.

Ele acrescentou: “Ainda não sabemos o suficiente sobre esses tipos de eventos para definir seu momento”.

Publicidade
Publicidade