Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


O apocalipse

Terra vive como roda gigante que vai cair e matar todo mundo

Publicado

Foto/Imagem:
Kirill Kureviev/Via Sputniknews - Foto Reprodução

Nada é inevitávcl; muito menos o fim do que quer que seja. Mais especificamente, o extermínio da humanidade pelo próprio homem. Esta é, em síntese, a conclusão de um estudo realizado pela Organização das Nações Unidas sobre o propalado apocalipse que semeia a mente humana. Agora, porém, o quadro é mais grave, em razão do desenvolvimento explosivo da capacidade do ser humano de influenciar o planeta em grande escala, provocando o risco cada vez mais próximo de uma catástrofe global.

Segundo um estudo da ONU sobre a Redução do Risco de Desastres, a percepção errônea de risco da humanidade levou a uma “espiral de autodestruição”, de modo que, até 2030, possamos ser atingidos por desastres diários. De acordo com o novo Relatório de Avaliação Global , o destino que a humanidade está caminhando para enfrentar é resultado de percepções de risco causadas por um trio de erros mentais: otimismo, subestimação e invencibilidade.

Cientistas da ONU observam que, apesar das promessas dos líderes mundiais de aumentar a resiliência, combater as mudanças climáticas e promover caminhos de desenvolvimento sustentável, “as atuais escolhas sociais, políticas e econômicas estão fazendo o contrário”. Isso coloca em risco o progresso em direção ao Acordo de Paris e aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) descritos em Transforming Our World: The 2030 Agenda for Sustainable Development.

“Para mudar de rumo, são necessárias novas abordagens”, diz o relatório de 256 páginas. “Isso exigirá transformações no valor dos sistemas de governança e como o risco sistêmico é entendido e tratado. Fazer mais do mesmo não será suficiente.”

Assim, em um cenário de risco incerto, os sistemas globais estão se tornando cada vez mais integrados e, portanto, mais vulneráveis. “Riscos locais, como um novo vírus em Wuhan, na China, podem se tornar globais; riscos globais, como mudanças climáticas, estão causando grandes impactos em todas as localidades. Impactos indiretos em cascata podem ser significativos”, afirma o documento.

Terremotos, tsunamis e vulcões estão entre os desastres que potencialmente aguardam a humanidade, assim como desastres ambientais relacionados ao clima, bem como surtos de riscos biológicos, como pragas e epidemias.

Os cientistas avaliam que de 350 a 500 desastres de média a grande escala aconteceram a cada ano durante as últimas duas décadas. Até 2030, eles projetam que essa taxa aumentará para 560 desastres por ano, ou cerca de 1,5 por dia.

A atividade humana está colocando o mundo em situações perigosas e empurrando-o para seus limites ecológicos e existenciais, de acordo com o o estudo. Para acelerar a ação contra as mudanças climáticas e alcançar os ODS, a redução de riscos deve estar na vanguarda dos esforços.

De acordo com a porta-voz do UNDDR, Jeanette Elsworth, citada em um relatório da Live Science , uma “percepção de risco” quebrada pode catalisar e agravar desastres ao negligenciar conscientemente o investimento em esforços de prevenção de desastres, ao mesmo tempo em que falha em agir com urgência suficiente em questões relacionadas como as mudanças climáticas. Isso pode fazer com que os desastres se tornem maiores e mais impactantes do que teriam sido se tivessem sido feitos esforços suficientes na prevenção e redução de riscos.

“O mundo precisa fazer mais para incorporar o risco de desastres na forma como vivemos, construímos e investimos, o que está colocando a humanidade em uma espiral de autodestruição”, disse Amina J. Mohammed, vice-secretária-geral da ONU, em comunicado.

A pandemia de Covid-19 é citada pelos especialistas como exemplo de miopia e desconhecimento dos riscos catastróficos.

“O pensamento míope significava que, apesar dos avisos e dados de que uma pandemia estava atrasada, a preparação era inadequada e os sistemas de governança em todo o mundo lutavam para se adaptar a uma nova realidade”, diz o documento. A gravidade da pandemia também foi exacerbada pela exposição de populações em todo o mundo a outros riscos à saúde. “A exposição a fatores de risco subjacentes, como altos níveis de poluição do ar, moradia insegura ou acesso limitado a serviços de saúde, afetam significativamente as taxas de mortalidade”, pontua o estudo.

Eventos climáticos extremos estão se tornando mais comuns como resultado das mudanças climáticas causadas pelo homem, de acordo com os autores. Eles sugeriram que os formuladores de políticas se esforcem para garantir que o desenvolvimento e os investimentos sejam à prova de clima. A Costa Rica, por exemplo, estabeleceu um preço de carbono em 1997 para auxiliar o desmatamento reverso, o que ajuda a reduzir os riscos de desastres e, ao mesmo tempo, beneficia a economia, segundo os autores da pesquisa da ONU.

Os cientistas descobriram que as calamidades não afetam a todos igualmente. Com uma taxa média de pobreza de 34%, 18 dos 20 países com maior risco de desastres eram países de renda média e baixa. “Até o final desta década, as mudanças climáticas e os desastres causados ​​por desastres naturais podem levar até 132 milhões de pessoas à pobreza”, disse Elsworth.

No entanto, os especialistas criaram uma abordagem em três etapas para ajudar o mundo a evitar uma espiral de autodestruição.

Para começar, os humanos devem parar de subestimar “o risco de mudança climática, os custos para os ecossistemas e os benefícios sociais positivos da redução de risco”. A segunda etapa envolve a criação de sistemas que “incluem como as mentes humanas tomam decisões sobre riscos”. Finalmente, os governos e os sistemas financeiros devem colaborar em todas as disciplinas para ajudar as vítimas de desastres.

De acordo com o relatório, durante as calamidades, a liderança local é essencial. “Diferenças podem surgir entre os níveis nacional e local durante grandes crises, como foi o caso em muitas jurisdições durante a crise do COVID-19. A autonomia para a ação em nível local é essencial”, enfatizaram.

Publicidade
Publicidade