Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Cientistas apreensivos

Terra vive nova ameaça de asteroide e extinção em massa

Publicado

Foto/Imagem:
Alisson Dubois/Via Sputniknews - Foto Reprodução

Sessenta e seis milhões de anos atrás, um asteroide gigante colidiu com a Terra, levando à extinção de dinossauros não-aviários e três quartos de todas as espécies em um evento conhecido como extinção em massa KT. Amostras recentes coletadas da Lua lançaram luz sobre a dinâmica do sistema solar, incluindo a probabilidade de futuros asteroides catastróficos atingindo o planta.

Além de descobrir que impactos significativos de asteroides ocorreram em aglomerados, novas descobertas mostraram que os impactos dessa pedras errantes na superfície lunar coincidiram com a queda d alguns dos maiores da Terra, incluindo o responsável por matar os dinossauros.

O estudo utilizou contas de vidro microscópicas em amostras de solo lunar coletadas pela missão lunar Chang’e-5 da China em 2020 . As contas de vidro, que são o resultado do alto calor e da pressão gerada por ataques de meteoros, foram organizadas por idade para reconstruir uma linha do tempo aproximada de “ bombardeamento lunar ” que se aproxima de ataques semelhantes na Terra.

O professor Alexander Nemchin, do Centro de Ciência e Tecnologia Espacial da Universidade Curtin, da Escola de Ciências da Terra e Planetárias, disse que as descobertas indicam que o momento e a frequência dos impactos de asteroides na Lua podem ter sido espelhados na Terra, nos dizendo mais sobre a história da evolução do nosso planeta.

“Combinamos uma ampla gama de técnicas analíticas microscópicas, modelagem numérica e pesquisas geológicas para determinar como essas contas de vidro microscópicas da Lua foram formadas e quando”, disse Alexander Nemchin em um comunicado.

As idades de algumas das contas de vidro indicaram que elas foram criadas há cerca de 66 milhões de anos, na mesma época em que o asteroide Chicxulub atingiu a Terra, o que desencadeou tsunamis, tempestades de fogo e nuvens de detritos densas o suficiente para bloquear o Sol.

Os cientistas envolvidos no estudo estão esperançosos de que a pesquisa contínua possa fornecer mais informações sobre o “Big Bang” e se foi ou não realmente um big bang seguido por vários pequenos estrondos.

“Se isso estiver correto”, diz Nemchin, “sugere que as distribuições de frequência de idade dos impactos na Lua podem fornecer informações valiosas sobre os impactos na Terra ou no sistema solar interno”.

A equipe agora planeja comparar dados de amostras de solo lunar e outras amostras de solo com as idades das crateras na superfície da Lua, na esperança de poder esclarecer os impactos correspondentes na Terra que podem ter impactado a vida.

Publicado na revista científica Science Advances, o estudo é chamado de “Restringindo a formação e o transporte de vidros de impacto lunar usando as idades e composições químicas das contas de vidro Chang’e-5”.

Publicidade
Publicidade