Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Mundo

Terremotos em série deixam os americanos em alerta

Bartô Granja, Edição

Os americanos estão em estado de alerta máximo. Motivos de preocupação, existem. É o temido Big One, previso por cientistas. Trata-se de um terremoto devastador. E, se acontecer, as consequências serão inimagináveis. A apreensão aumentou nos últimos dias, após a Califórnia ser atingida por uma série de terremotos. O último foi na madrugada deste sábado, 6 – horário de Brasília. A magnitude foi de 7,1. Foi o segundo acima de 6 graus dessa semana, e o mais forte em 20 anos a atingir região, de acordo com o Serviço Geológico dos Estados Unidos. Várias pessoas ficaram feridas, de acordo com a CNN.

O sismo ocorreu às 20h33 no horário local (0h33 deste sábado, no Brasil) e o epicentro foi registrado a 17 km de Ridgecrest, localidade de 30 mil habitantes, a 250 km de Los Angeles. O tremor foi sentido em Los Angeles, Phoenix, Las Vegas e Reno. O terremoto provocou deslizamentos de terra, rachaduras em fundações e destruiu muros. Canalizações de água e esgoto também foram rompidas. Após o tremor, ainda foram registrados incêndios provocados por vazamentos de gás, de a cordo com o Corpo de Bombeiros do condado de San Bernardino.

Cerca de 3.000 moradores em Ridgecrest e nas áreas vizinhas estão sem energia, gás e sem sistema de comunicação. Famílias passaram a noite fora de casa com medo de réplicas do tremor. No hospital regional de Ridgecrest, pacientes foram levados de cadeira de rodas para o lado de fora, onde enfermeiros davam prosseguimento aos atendimentos ao ar livre, de acordo com a CNN.

O discurso do ex-campeão do peso-meio-pesado, Rashad Evans, foi interrompido por causa do tremor na “Moderna” do Hall da Fama do UFC. Imagens divulgadas pela CNN mostram a reação de dois de seus âncoras que apresentavam um jornal no momento do tremor.

O governador da Califórnia, Gavin Newsom, declarou estado de emergência para o condado de San Bernardino. A mesma medida já havia sido tomada após o sismo de magnitude 6,4 que atingiu a cidade na quinta-feira (4).

Em Ridgecrest, há uma base militar da Marinha americana, a Naval Air Weapons Station China Lake, onde em um amplo espaço deserto são testados bombas e mísseis. O abalo provocou danos no complexo, como incêndios e vazamento de água e produtos perigosos.

O major-general David Baldwin, ajudante geral da Guarda Nacional da Califórnia, disse que uma força-tarefa conjunta, que incluirá 200 forças de segurança e aeronaves militares, será enviada para ajudar.

A Califórnia é o estado mais populoso dos Estados Unidos, com quase 40 milhões de habitantes, e fica na região conhecida como Anel de Fogo do Pacífico, onde terremotos e erupções vulcânicas são mais frequentes devido aos encontros das placas tectônicas.

Mais de 100 tremores atingiram o sul da Califórnia nos últimos dez dias. O tremor desta sexta é o mais forte a atingir o estado nos últimos 20 anos, e supera o abalo de magnitude 6,4 que atingiu a região na quinta, sem deixar vítimas.

Os dois tremores fazem ressurgir o fantasma do “The Big One” (O Grande), um mega-terremoto potencialmente devastador que pode atingir em algum momento o oeste americano.

A especialista Lucy Jones, do Instituto de Tecnologia da California (Caltech), esclareceu à Rádio França Internacional que os dois tremores se produziram “na mesma falha sísmica”, que é diferente da de San Andreas, suscetível de causar o gigantesco terremoto.

Porém, a especialista alertou sobre a “forte probabilidade” de mais réplicas fortes se repetirem nos próximos dias na região. Segundo Jones, há 10% de chances de um terremoto superior a 7 graus voltar a ocorrer durante a semana.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente