Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Esportes

Torcedor vai acompanhar análise do árbitro de vídeo

Lincoln Chaves

As imagens que o árbitro de campo têm acesso quando checa os lances com auxílio do árbitro do vídeo (VAR) serão exibidas também a quem estiver assistindo à partida da Série A do Campeonato Brasileiro pela televisão. Segundo a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), a novidade entrará em vigor no início do segundo turno da competição.

“Há um lapso de tempo em que o árbitro faz a checagem. No mundo, (a média é de) 60 segundos. Por óbvio, leva-se mais 30, 40 segundos em deslocamento até a área de revisão. São segundos ganhos em justiça. No segundo turno (da Série A), quando isso for passado ao público, a sensação de perda de tempo diminuirá sensivelmente. É questão de adaptação. Tenho certeza que, muito em breve, os árbitros passarão de 1’54” para 1’20”, 1’30”, que é a média mundial”, defende Sérgio Corrêa, um dos responsáveis pela implantação do VAR no país e ex-presidente da comissão de arbitragem da CBF.

Corrêa atendeu a Agência Brasil durante a Brasil Futebol Expo, feira sobre negócios do esporte realizada em São Paulo, onde trabalhou em um estande que possibilitava aos visitantes testar o VAR. Segundo ele, foram 102 lances revistos com apoio da tecnologia até a 17ª rodada da Série A do Brasileirão.

“Imagine você se não tivéssemos o VAR nessas 102 situações? Seriam 102 potenciais reclamações e dúvidas jogadas sobre o árbitro. E hoje nós temos, ainda, algumas situações em que o VAR concorda com a decisão de campo ou a interpreta de forma diferente. Isso gera polêmica, mas é infinitamente inferior ao que era antes”, analisa.

Durante o evento na capital paulista, o atual presidente da comissão nacional de arbitragem, Leonardo Gaciba, informou que houve 98% de acerto em lances decisivos verificados com o auxílio do VAR no Brasileirão. O recurso estreou em campeonatos nacionais nas quartas de final da Copa do Brasil do ano passado. Foi utilizado também no mata-mata de nove estaduais.

“Diziam que era melhor ter treinado (o VAR) no sub-20, na segunda divisão. Só que custa R$ 50 mil por jogo. Não dá para treinar gastando R$ 20 milhões ao todo para depois gastar mais R$ 20 milhões. Temos que usar o dinheiro para investimento e treinamento. E isso foi feito. A CBF capacitou 180 árbitros em seis cursos longos, de 12 dias. Tivemos workshops pelo Brasil. E as pessoas estão começando a entender”, conclui Corrêa.

Botafogo e São Paulo abrem a 20ª rodada do Brasileirão neste sábado, às 11h, no estádio Nilton Santos (Engenhão), no Rio de Janeiro, no que deverá ser o primeiro jogo com exibição das imagens do VAR ao telespectador.

Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente