Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


O reacionário

Twitter derruba conta de Jamie West por apologia ao nazismo

Publicado

Foto/Imagem:
James Tweedie/Via Sputniknews - Foto Reprodução

A estrela do hip-hop Ye (anteriormente Kanye West) teve sua conta no Twitter há 40 dias, por postar uma reclamação de suposta negligência contra um médico judeu que o tratou de uma doença mental. Irritado, foi mais além: os judeus são loucos, tuitou. Agora o pop-star foi excluído definitivamente do microblog, por expressar sua admiração por Adolf Hitler e defender o nazismo.

Tuiteiros estão se perguntando como o artista foi autorizado a voltar ao site apenas para ser banido pouco mais de um mês depois. O certo é que a mídia social estava movimentada desde a noite de quinta-feira, depois que West fez uma série de comentários incendiários durante sua aparição no webcast InfoWars com o apresentador Alex Jones e o colega convidado Nick Fuentes.

Jones e Fuentes, frequentemente descritos como teóricos da conspiração ‘alt-right’, também foram banidos do Twitter. A conta de West foi suspensa no início de outubro devido a comentários amplamente condenados como anti-semitas. Mas a estrela foi reintegrada no mesmo mês – pouco antes da aquisição e grande mudança do magnata da tecnologia sul-africano Elon Musk – embora Ye tenha feito uma “pausa” de duas semanas na plataforma, de 4 a 20 de novembro.

Vestindo uma jaqueta pesada e uma máscara de cabeça cheia Balenciaga com zíper, a estrela multi-platina afirmou confusamente que o Führer nazista Adolf Hitler “inventou as rodovias” – uma possível referência às autoestradas alemãs Autobahn construídas na década de 1930 – e “o próprio microfone que uso como músico.” “Todo ser humano tem valor que eles trouxeram para a mesa, especialmente Hitler”, insistiu West.

A certa altura, o músico pareceu questionar a veracidade do genocídio nazista, depois que Jones contestou sua repetida declaração “Eu gosto de Hitler”. “O Holocausto não é o que aconteceu, vamos olhar para os fatos disso”, disse West. “E Hitler tem muitas qualidades redentoras.”

West então elogiou o senso de moda “legal” de Hitler e o gosto pela arquitetura antes de afirmar: “Ele não matou seis milhões de judeus, isso é apenas factualmente incorreto.” No segmento mais surreal do show, o rapper deu uma cutucada na Liga Judaica Anti-Difamação (ADL) e lançou um trocadilho visual com o nome do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu usando uma rede de pesca infantil e uma garrafa de chocolate com sabor Yoo-hoo.

Alegando que só tinha ouvido o “nome engraçado” do veterano líder israelense quinze dias antes, West começou a ter uma conversa semelhante a um ventríloquo com a rede, que ele expressou em um falsete ridículo. “Ele é como um superassassino, eu poderia morrer por dizer isso”, disse Ye.

O fundador da Tesla Motors, Musk, que acaba de comprar o Twitter, anunciou pessoalmente a suspensão da conta de West por “incitação à violência”. “Eu tentei o meu melhor. Apesar disso, ele violou novamente nossa regra contra o incitamento à violência. A conta será suspensa”, tuitou Musk.

“Apenas esclarecendo que sua conta está sendo suspensa por incitação à violência, não uma foto nada lisonjeira minha sendo humilhado por Ari”, postou Musk mais tarde em resposta a um dos tweets finais de West. “Francamente, achei essas fotos uma motivação útil para perder peso!”

West redobrou mais uma vez a imagem de um design gráfico de computador que consiste em uma suástica em uma estrela de David judaica, com a legenda “Ye 24” – uma aparente referência a seus planos de concorrer à presidência dos EUA como independente em 2024 contra Joe Biden e Donald Trump.

Apenas uma semana antes, Musk prometeu uma “anistia” aos usuários cujas contas foram suspensas por tweets politicamente incorretos – desde que não infringissem a lei ou se envolvessem em spam. O novo proprietário do Twitte prometeu anistia para contas suspensas depois que milhões de usuários votaram a favor em sua enquete online, desde que não houvesse excessos.

Fascista da moda?
Alguns internautas diligentes apontaram que West havia tuittado em apoio à casa de alta costura Balenciaga nos últimos dias, que foi amplamente condenada por uma campanha publicitária que sexualizava modelos infantis enquanto menosprezava as leis de pornografia infantil.

O jornalista Ian Miles Cheong questiona a defesa de Kanye West da grife Balenciaga após o elogio do rapper ao Führer nazista Adolf Hitler. O cantor e sua ex-esposa Kim Kardashian mantinham uma lucrativa relação comercial com a marca. Mas Balenciaga não seria o primeiro estilista a ser manchado por links para o fascismo na moda.

Hugo Boss , da Alemanha, fez uniformes infames para as formações paramilitares nazistas, os Stormtroopers (SA) e as SS – que dirigiam os campos de extermínio onde milhões de judeus, comunistas e outros foram assassinados – e mais tarde a Wehrmacht.

A casa francesa de malas e bolsas de luxo Louis Vuitton apoiou o regime colaboracionista de Vichy na França durante a Segunda Guerra Mundial e lucrou com negócios com a ocupante Alemanha nazista. Até a lendária Coco Chanel serviu como agente de inteligência nazista depois de se tornar amante do barão Hans Günther von Dincklage, oficial do serviço de contra-espionagem militar alemão Abwehr, logo após a ocupação de Paris pela Wehrmacht em 1940.

Mas agora West dançou. E a Casa Branca, ao que parece, será um pesadelo para ele.

Publicidade
Publicidade