Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Bases de bombardeiros nucleares

Ucrânia atinge coração da defesa russa com velhos drones

Publicado

Foto/Imagem:
Antônio Albuquerque, Edição - Foto Reprodução

As forças ucranianas realizaram ataques contra bases aéreas russas onde estão estacionados bombardeiros nucleares. A ofensiva foi nesta segunda, 5, nas regiões de Saratov e Ryazan,  menos de 200 quilômetros de distância de Moscou. Na ação foram empregados drones produzidos na era soviética.

Alguns dos drones atingiram seus alvos, embora não haja detalhes sobre danos. Outros foram interceptados e derrubados por mísseis. Três militares foram mortos no ataque, com outros quatro feridos. A queda de destroços de drones teria causado danos leves aos cascos de dois bombardeiros.

Os militares russos responderam lançando ataques de precisão em grande escala usando armas aéreas e marítimas contra sistemas de comando e controle militares ucranianos e instalações relacionadas, bem como centros de comunicações, infraestrutura de energia e unidades militares.

A Base Aérea de Dyagilevo está situada a mais de 450 km a nordeste da fronteira da Rússia com a Ucrânia e serve como centro de treinamento para a aviação estratégica russa. A Base Aérea de Engels está localizada a cerca de 550 km a leste da Ucrânia e contém elementos do componente aéreo da tríade nuclear da Rússia.

O Ministério da Defesa russo não nomeou os drones usados ​​nos ataques. No entanto, o fato de serem “motores a jato” sugere que eram Tu-141s modificados – um projeto de UAV desenvolvido pelo Tupolev Design Bureau em meados da década de 1970 e usado extensivamente pelos militares soviéticos para fins de reconhecimento até 1989.

Em 2014, a Ucrânia recolocou os UAVs em serviço para sua guerra contra o Donbass. Depois que a Rússia iniciou sua operação militar na Ucrânia em fevereiro, vários incidentes envolvendo Tu-141s foram relatados. Em um desses incidentes, um Tu-141 caiu em Zagreb, na Croácia, a cerca de 550 km da Ucrânia, depois de sobrevoar as vizinhas Romênia e Hungria.

Uma investigação dos militares croatas determinou que o drone errante estava equipado com uma bomba e pretendia atacar a Rússia, mas saiu do curso e caiu na Croácia. Em julho, autoridades da região de Kursk, na Rússia, relataram que dois Tu-141 foram abatidos por defesas aéreas locais.

Pouco depois dos incidentes desta segunda-feira, a Maxar Technologies, uma empresa espacial privada dos EUA que fornece suporte de inteligência por satélite às forças armadas da Ucrânia, cortesia dos contribuintes americanos, publicou fotos de satélites, supostamente da Base Aérea de Engels, “mostrando atividade militar recente perto do aeródromo que abriga uma unidade de aviação de bombardeiros pesados.”

Publicidade
Publicidade