Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Pegando pesado

Ucrânia vira celeiro de testes de armas da Otan

Publicado

Foto/Imagem:
Oleg Burunov/Via Sputniknews - Foto Reprodução

A Ucrânia se tornou um “banco de testes” para armas ocidentais que nem sempre atendem às expectativas e podem finalmente se tornar uma coisa do passado, informou um meio de comunicação dos EUA. A agência afirmou que o conflito ucraniano “ofereceu aos Estados Unidos e seus aliados uma rara oportunidade de estudar como seus próprios sistemas de armas funcionam sob uso intenso”.

Uma fonte não identificada familiarizada com a inteligência ocidental foi citada pelo veículo dizendo que a Ucrânia é “absolutamente um laboratório de armas em todos os sentidos, porque nenhum desses equipamentos jamais foi realmente usado em uma guerra entre duas nações industrialmente desenvolvidas”. Segundo a fonte, “este é um teste de batalha do mundo real”.

Outra fonte disse à agência que alguns sistemas sofisticados entregues a Kiev, incluindo o drone Switchblade 300 e um míssil projetado para atingir sistemas de radar inimigos, acabaram sendo menos eficazes no campo de batalha do que o previsto.

A fonte argumentou que uma lição que Washington pode tirar do conflito ucraniano é que a artilharia rebocada – como o sistema de obuses M777 fornecido a Kiev – pode nunca ser usada no futuro devido ao fato de que o sistema é “mais difícil de mover rapidamente para evitar responda ao fogo.”

Desde o início do ano, os EUA e seus aliados entregaram mais de US$ 40 bilhões em assistência militar a Kiev. Moscou alertou repetidamente contra o fornecimento de armas a Kiev, algo que o Kremlin diz contribuir para uma maior escalada do conflito na Ucrânia.

Shoigu, por sua vez, sublinhou que o conflito ucraniano se tornou mais um pretexto para os EUA e seus aliados desencadearem uma guerra econômica e de informação contra Moscou para esgotá-la estrategicamente.

“A Ucrânia foi escolhida [pelo Ocidente] como um instrumento de uma guerra híbrida contra a Rússia”, acrescentou Shoigu, enfatizando que o fornecimento de armas ocidentais a Kiev aumenta o prolongamento do conflito e causa mais baixas.

A Rússia lançou sua operação militar especial na Ucrânia em 24 de fevereiro de 2022, após um pedido das repúblicas de Donbass para protegê-las dos ataques de Kiev.

Publicidade
Publicidade