Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Curiosidades

Velho manuscrito sugere plantas contra pandemias

Elma Brenner

Se folheasse o antigo pergaminho do manuscrito Voynich, você leria página após página de um texto incompreensível. O volume é escrito inteiramente em um idioma ou código que ninguém ainda conseguiu identificar, acompanhado por uma série de ilustrações vívidas e sedutoras.

Além de não decodificar o conteúdo do manuscrito, os estudiosos também não sabem quem o criou, ou por que escolheram torná-lo aparentemente indecifrável.

O pergaminho que compõe o manuscrito data do século 15 e provavelmente foi produzido na Europa central. Como não conseguimos entender o texto, as ilustrações são a melhor indicação do conteúdo do manuscrito.

Aparentemente, inclui material médico e científico, com páginas dedicadas às propriedades medicinais das plantas, bem como às substâncias farmacêuticas que podem ser derivadas delas, uma seção sobre astrologia e astronomia e um segmento que pode (ou não) listar receitas.

No entanto, parte do material visual é muito difícil de interpretar. Uma sequência de ilustrações mostra figuras femininas nuas reclinadas em água ou outro fluido, cercadas por sistemas de tubulação. Será que eles literalmente mostram os benefícios terapêuticos do banho ou serão alegóricos?

À luz das ilustrações, o próprio texto pode estar relacionado ao aproveitamento dos poderes da natureza e do cosmos, potencialmente por meio de processos mágicos e alquímicos: essas ideias ganharam grande fama na Europa naquele era, mas as experiências eram realizadas clandestinamente.

O compilador de manuscritos provavelmente queria manter esse conhecimento em segredo, tanto para impedir que outros se apropriassem do material quanto porque a igreja e as autoridades seculares desaprovavam a alquimia e a magia.

O manuscrito estava na corte de uma pessoa fascinada por alquimia e magia, Rodolfo II do Sacro Império Romano-Germânico (1552-1612). Rodolfo pode muito bem ter adquirido o manuscrito do astrólogo inglês John Dee (1527-1608), que compartilhava seu interesse pelo ocultismo.

Ainda que os historiadores tenham descoberto muitas das complexidades do fascínio furtivo das pessoas por magia durante os séculos 15 e 16, o conteúdo do manuscrito de Voynich permanece um enigma.

O texto provavelmente está escrito em código, com palavras em um idioma ainda não identificado reconfigurado em um único alfabeto, com complexidades adicionais para tornar o quebra-cabeça ainda mais difícil de decifrar.

Ao longo dos anos, muitos pesquisadores tentaram decifrar o texto. O trabalho da equipe americana de criptoanalistas William e Elizabeth Friedman é particularmente notável.

Junto com seu trabalho vital de quebra de código durante a Segunda Guerra Mundial, os Friedmans aplicaram sua experiência ao manuscrito de Voynich e continuaram a estudá-lo na década de 1950.

No entanto, nem suas mentes brilhantes conseguiram decifrar o código. Esperamos que chegue o dia em que um dos pesquisadores que estudam cuidadosamente o manuscrito finalmente descubra seus segredos.

*Especialista em história medieval

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente