De uma, duas

Velho sobrado continua firme, abrigando três gerações

Foto/Divulgação
Luciana Carvalho

Era uma vez um sobrado com dez metros de fachada, construído em 1955 pelo patriarca da família, Seu Gaspar, na pouco conhecida Vila Madalena, na capital paulista. A vida seguiu, o proprietário teve dois filhos e, em 1984 não hesitou em literalmente dividir o seu patrimônio: fez uma grande reforma e transformou a casa em duas. Uma para cada um dos filhos.

Os anos passaram, gerações se sucederam, até que, em 2017, diante do fim de um longo contrato de aluguel, o neto de Seu Gaspar resolveu voltar às origens e ir morar com sua cadela Chica, na casa que era do seu pai.

Coube então às arquitetas Alessandra Pinho e Stella Teixeira, da Stal Arquitetura, a missão de transformar a antiga casa geminada em um lar com quintal para que o neto, Marcelo, pudesse receber seus amigos com todo o conforto. “A primeira ideia foi descascar todo o acabamento da parede da sala, pois sabíamos que ela havia sido construída com tijolos maciços, o que, com certeza, traria alma para o projeto”, afirma Alessandra.

Ainda assim, com cinco metros de frente e 30 de fundo, a casa era pouco ventilada e sem muita incidência de luz. Além disso, havia o desejo de Marcelo de poder ver da sala o gramado no fundo do quintal. “Foi suficiente para colocarmos abaixo todas as divisórias existentes no térreo”, conta Stella. Assim, a sala da frente foi integrada aos fundos do terreno, passando pelo lavabo, sala de jantar e cozinha.

“Para trazer mais luz, abrimos janelas onde podíamos”, afirma Alessandra. Por fim, para conferir uma atmosfera industrial ao projeto, a dupla lançou mão de esquadrias pretas, conduítes e iluminação aparente, finalizando tudo com um piso cimentício que foi aplicado na casa toda.

Já o andar superior não passou por grandes mudanças estruturais. Havia uma suíte na frente, além de um quarto e um banheiro nos fundos, que acabou se transformando em outra suíte. “O quarto dele ficou super confortável e com um tamanho ótimo. Tem até varanda”, pontua Alessandra.

Por ser a casa de um rapaz solteiro, a resistência, praticidade e facilidade de manutenção foram itens considerados pelo projeto. A estante da sala de estar, por exemplo, foi construída de concreto, com formas bem retas e simples.

O conceito se espalha ainda por outros itens da casa, como no banco da sala de jantar, na estrutura dos gabinetes da cozinha e na bancada da churrasqueira. Todos feitos no material, sólidos e fixos. Como se a sinalizar que o neto do Seu Gaspar voltou para a antiga casa da Vila Madalena e que de lá não pretende sair tão cedo.

COMPARTILHE