Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Veículos

Velhos modelos voltam à vida, mas nem todos com o mesmo brilho

Foto/Divulgação
Igor Macário

O aguardado retorno do Toyota Supra às ruas não foi o primeiro (nem o último) retorno de nomes conhecidos que haviam saído de cena. Vários modelos viram a luz do dia novamente mesmo após anos fora do mercado. Ainda assim, nem todos os emblemas voltaram da mesma forma, ou com o mesmo glamour de antes.

Um modelo que recentemente chamou atenção foi o Mitsubishi Eclipse. O icônico esportivo japonês dos anos 1990 ressurgiu como um SUV compacto, para desagrado dos puristas. O Eclipse ganhou o sobrenome Cross, e apesar do perfil um bocado mundano, até tem boas qualidades, mas é bem diferente do modelo original que deu fama ao nome.

Nos Estados Unidos, a Lincoln trouxe de volta, magistralmente, o Continental. Seu famoso sedã de luxo foi produzido por praticamente 60 anos em sete gerações até sair de cena em 2002. O Continental teve várias versões, entre sedãs e conversíveis, e levou diversos presidentes americanos.

E o retorno foi em grande estilo. Embora não tenha mais a opulência dos tempos áureos do Continental original, o modelo atual tem sido sucesso de crítica nos Estados Unidos e está bem alinhado com a nova linha de modelos da Lincoln. Recentemente, o Continental ganhou uma versão comemorativa dos 80 anos do modelo (o primeiro Continental é de 1940) com direito a portas suicidas. Serão apenas 80 unidades produzidas e todas já têm dono antes mesmo dos carros chegarem às concessionárias.

A Chevrolet fez algo parecido com o Malibu. A primeira fase do modelo foi de 1964 a 1983. Durante algum tempo, o Malibu chegou a ser uma versão do Chevelle, em meados dos anos 70. A quarta fase, de 1978 a 1983 o modelo voltou a se chamar Malibu, em detrimento do nome Chevelle.

Em 1997 a Chevrolet trouxe de volta a nomenclatura para seu modelo médio de tração dianteira. De 97 para cá, o Malibu já está na quinta geração, a nona ao se considerar toda a história do modelo. A sétima delas chegou a ser vendida no Brasil para competir com o Ford Fusion, sem muito sucesso.

Já a Lancia reviveu o famoso Flavia há alguns anos. No entanto, o Flavia moderno era uma versão com emblemas Lancia do Chrysler Sebring conversível. Bem distante dos tempos áureos, com carrocerias desenhadas por Pininfarina e quando a marca era sinônimo de avanço tecnológico europeu.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente