Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Curiosidades

Versão bíblica ganha vida e confirma Êxodo

Foto/Reprodução - Sputniknews
Bartô Granja, Edição

Apesar da maioria dos pesquisadores questionarem a exatidão do Livro do Êxodo, alguns estudiosos acreditam que a fuga dos judeus do Egito realmente aconteceu – e que novas evidências disso estão prontas para “mudar seriamente” o quadro de discussão.

Pesquisadores da Doubting Thomas Research Foundation (DTRF), que investiga a veracidade e evidência dos relatos bíblicos, dizem que eles podem ter encontrado o caminho para a Terra Prometida tomado pelos israelitas sob a liderança de Moisés.

O cineasta Ryan Mauro, do DTRF, fez três viagens à Arábia Saudita, que ele diz fazer parte da rota de Moisés.

“O que eu encontrei lá foi simplesmente alucinante. Eu não podia acreditar que havia toda essa evidência para o Êxodo e dificilmente alguém de fora desta região estava ciente disso”, disse ele ao Daily Star .

O Livro do Êxodo – o segundo livro do Antigo Testamento e da Torá – fornece um relato da saída dos judeus da escravidão no Egito e sua jornada através do deserto.

De acordo com a narrativa bíblica, os israelitas fugiram do exército egípcio quando Moisés separou o Mar Vermelho, com as águas mais tarde se fechando novamente sobre seus perseguidores.

Dizem que eles chegaram mais tarde ao Monte Sinai, onde Moisés recebeu os Dez Mandamentos de Deus e acabou se estabelecendo no que hoje é Israel.

A localização do Monte Sinai bíblico é tradicionalmente associada à Península do Sinai no Egito. Perto do sopé da montanha, o Mosteiro de Santa Catarina foi construído sobre o que tradicionalmente se acredita ser o local da sarça ardente da qual Deus primeiro se revelou a Moisés.

Ryan Mauro acredita, no entanto, que o verdadeiro Monte do Sinai está localizado a mais de cem quilômetros a leste do outro lado do Golfo de Aqaba, que separa a península do Sinai da Arábia Saudita.

“Depois de três viagens à Arábia Saudita, estou plenamente convencido de que os israelitas entraram na antiga terra de Midiã quando fugiram da escravidão no Egito.”

Ele também diz que há evidências de que Moisés conduziu seu povo através do Golfo de Aqaba a partir do que hoje é a cidade costeira de Nuweiba, no leste da península do Sinai, onde a travessia seria de quase 8 milhas (12km) de largura com uma profundidade rasa. de apenas 33 metros.

“Vai levar algum tempo para trazer essa teoria alternativa para a historiografia convencional, mas acredito que nosso trabalho vai mudar seriamente a paisagem sobre esse assunto”, sinalizou Mauro.

O principal consenso acadêmico é que não há evidência arqueológica para o Êxodo, e que a Bíblia representa o reflexo do povo judeu em suas origens, em vez de detalhar um momento específico da história.

“Basicamente diria a alguém que é cético sobre o Êxodo para manter uma mente aberta sobre o assunto”, disse Mauro. “Há uma razão pela qual esta tradição foi transmitida nas três principais religiões do cristianismo, judaísmo e islamismo”.

“Talvez esses céticos tenham duvidado do relato histórico da história do Êxodo por causa da falta de evidências no local tradicional em St. Catherine, mas o que encontramos parece se encaixar nos relatos antigos.”

No final do ano passado, sua fundação lançou um documentário intitulado “Encontrando a Montanha de Moisés”, que citava “evidência arqueológica inegável” de sua suposta localização real na Arábia Saudita.

No filme, ele disse ter descoberto várias evidências de que o Êxodo ocorreu, como uma rocha dividida por Moisés e os restos de um antigo altar onde os israelitas adoravam um bezerro de ouro enquanto Moisés estava no topo da montanha.

“O bezerro de ouro, a rocha dividida, o altar de Moisés, o local de travessia do Mar Vermelho; todas essas peças precisam se encaixar e se encaixam neste local de uma forma que nenhum outro site faz”, acrescentou.

“Nós não necessariamente acreditamos nas mesmas divindades que os antigos egípcios, babilônios e assírios, mas ainda aceitamos a evidência de que esses povos existiram e que houve grandes eventos durante suas respectivas existências”.

“Os relatos do Êxodo não são diferentes, e agora temos evidências físicas reais de que esses eventos ocorreram.”

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente