Condomínio

Síndico, um anjo da guarda que tem muita dor de cabeça

Nair Assad

Gerir todas as despesas gastas e serviços de um condomínio é uma tarefa trabalhosa e que demanda atenção dos administradores. Todo esse trabalho se deve ao fato de que é preciso ter muito controle sobre receitas e despesas. Uma gestão inadequada pode significar cobranças a mais na taxa de condomínio, gerando alto custo para os condôminos, ou a menos, trazendo dívidas.

Quando a conta de um condomínio está saindo cara demais, é preciso analisar gasto a gasto para constatar se o dinheiro arrecadado está sendo bem gasto, sem desperdícios ou custos desnecessários. Diante de tudo isso, levantamos algumas dicas para otimizar a gestão financeira do seu condomínio. Apresentamos algumas oportunidades de economia, que podem evitar dores de cabeça

Organizar-se é muito importante para ter melhor controle sobre os gastos. É muito mais fácil a visualização sobre planilhas bem organizadas e principalmente digitalizadas (que permitem uma busca automática) do que papéis amontoados e reunidos arbitrariamente em pastas direcionadas às contas do condomínio.

Por isso, o síndico deve manter sempre em dia as anotações de todos os gastos feitos e a quantidade correta de material utilizados, fazendo um levantamento de quais estão sobrando e quais estão faltando. Dessa maneira, é possível ter maior controle do que é necessário comprar e, consequentemente, um maior controle sobre a taxa de condomínio.

Determinar o que é realmente essencial para o condomínio é algo muito importante em caso de cortes de gasto. É preciso começar pela análise dos custos que demandam água e luz, por exemplo. E procurar saber em quais atividades do condomínio elas são necessárias e se é possível reduzir a frequência dessas atividades sem comprometer a sua qualidade

São perguntas como é possível deixar de lavar a calçada e passar apenas a varrê-la? É possível deixar menor número de luzes acesas do condomínio sem comprometer o acesso e a segurança das pessoas? Se a resposta for sim, o síndico deve começar a mudar hábitos como esses.

Taxas de inadimplência também são uma das grandes razões dos déficits gerados nas contas do condomínio. Por isso, é necessário que se tenha o controle de quem está devendo e quanto. Em casos extremos, medidas judiciais tornam-se necessárias.

Além disso, é muito importante lembrar de manter um fundo de reserva que possa suprir esse prejuízo pelo menos por um período de tempo sem prejudicar os condôminos que mantém as contas em dia com aumentos na taxa de condomínio. Diversos condomínios tendem a aumentar a taxa cobrada para suprir as demandas dos inadimplentes, o que acaba sendo injusto e desconfortável.

COMPARTILHE