Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Brasil

Acareação na CPI pode desvendar as verdades da propina do Petrolão



O juiz federal Sérgio Moro determinou que o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa compareça ao Congresso Nacional, no próximo dia 2, para participar de uma acareação com o também ex-diretor da estatal Nestor Cerveró.

Responsável pelo caso da Operação Lava Jato na primeira instância, o juiz proibiu que a Polícia Federal utilize algemas em Paulo Roberto, que está em prisão domiciliar no Rio após fazer acordo com a Justiça para delatar o esquema.

A acareação, solicitada pelo deputado Enio Bacci (PDT-RS), foi aprovada pela CPI Mista da Petrobras no último dia 18. Na ocasião, o líder do governo no Congresso, senador José Pimentel (PT-CE), defendeu a rejeição do encontro entre os dois ex-diretores, alegando que Paulo Roberto se recusou a falar quando compareceu à CPI.

Os parlamentares da oposição querem confrontar as versões de Paulo Roberto e Nestor Cerveró. O primeiro disse que houve pagamento de propina na compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos. Versão rechaçada por Cerveró, ex-diretor da área internacional da empresa e apontado como responsável pelo relatório “tecnicamente falho”, que, segundo a presidente Dilma, embasou a negociação que causou prejuízo bilionário à empresa brasileira. O ex-executivo nega ter havido irregularidades na compra da unidade no Texas.

O negócio é investigado pela Polícia Federal, pelo Ministério Público Federal e pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Na delação premiada, Paulo Roberto admitiu participar de um esquema de corrupção na Petrobras e ter recebido pelo menos US$ 23 milhões (cerca de R$ 55 milhões) em propina. Valor que, pelo acordo, será devolvido aos cofres públicos. Segundo ele, o esquema beneficiava políticos e partidos, como o PT, o PMDB e o PP.

Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente