Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Brasil

Bancos perdem batalha de 340 bilhões da poupança, mas a guerra ainda não acabou



Os ministros do Superior Tribunal de Justiça decidiram nesta quarta 21, que os bancos deverão contabilizar juros no pagamento a poupadores prejudicados por planos econômicos passados (anos 80 e 90, como os planos Bresser, Verão e Collor 1 e 2), desde a citação em ação civil pública (ACT) movida em 1993.

Agora é aguardada uma manifestação do STF, que deve acontecer na próxima semana. Se os ministros do Supremo seguirem o mesmo caminho dos colegas do STJ, os banqueiros terão de desembolsar mais de 340 bilhões de reais.

A votação foi apertada, dividindo a corte. O voto do presidente Felix Fisher decidiu o julgamento. Com o resultado, os juros de mora – ou seja, de atraso de pagamento – começam a ser contados desde a Ação Civil Pública movida pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), ganha em 1993. Com a decisão, os bancos terão que calcular os juros de mora desde esse período.

O debate envolveu ainda a questão da eficácia da ação civil, uma vez que os bancos defendem que os juros só sejam contados quando um indivíduo entre com uma ação, balizando-se na vitória já obtida pela ACP. Defensores dos poupadores entendem que o sucesso da ação já serve para iniciar a contagem dos juros de mora, uma vez que os bancos, a partir daí, já conhecem a dívida.

A decisão balizará outros tipos de ações, como reajustes de planos de saúde, cobranças indevidas ou perdas ocorridas em outros planos econômicos.

Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente